A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

07/04/2015 09:45

Energia elétrica eleva inflação para 1,25% em março, maior em 12 anos

Liana Feitosa
Aumento no preço da energia refletiu na inflação da Capital. (Foto: Campo Grande News)Aumento no preço da energia refletiu na inflação da Capital. (Foto: Campo Grande News)

Reajuste na energia elétrica impulsionou inflação de março em Campo Grande, que foi de 1,25%, segundo o IPC/CG (Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande). No comparativo com o mês de março de 2014, esse percentual não se repetia desde o ano de 2003, quando chegou a 1,34%.

Na análise, divulgada mensalmente pelo Nepes (Núcleo de Pesquisas Econômicas) da Universidade Anhanguera-Uniderp, se a inflação do mês passado for comparada com fevereiro deste ano, o índice foi apenas 0,13% menor.

Energia - Segundo o coordenador do Nepes, Celso Correia de Souza, a principal causa da elevação está no reajuste da energia elétrica. “No mês de março aconteceu um forte aumento no preço da energia (28,19%), cujo reflexo no período foi de aproximadamente 13,75% na inflação da Capital. Além disso, também houve elevação da bandeira tarifária de energia elétrica de 3 para 5,5%, para cada 100 Kw/h consumido”, explica.

Entre os grupos que tiveram altos índices de inflação estão: Habitação, com variação de 2,80%; Alimentação, com 0,91%; Despesas Pessoais, com 0,68%; e Transportes com 0,65%. Com índices negativos destacam-se os grupos Saúde, com -0,09%, e Vestuário -0,04%.

Índice acumulado - A inflação acumulada em 12 meses está em 8,08%, muito acima do topo da meta inflacionária estabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) para o período de 2015, que é de 6,5%. O índice também está muito além do centro da meta, que é de 4,5%.

No período as maiores inflações acumuladas na Capital, por grupo, foram: Transportes, com 11,30%; Alimentação, com 9,54%; Habitação, com 9,40%; e Despesas Pessoais, com 8,95%. Os demais grupos se encontram dentro da normalidade.

No acumulado de 2015, o índice ficou em 4,47%, portanto também acima do centro da meta inflacionária. O índice acumulado por grupo em 2015 apresentou os seguintes números: Transportes, com 7,44%, Educação, com 7,38%, Habitação 6,06% e Despesas Pessoais, 5,01%. Dois grupos estão com deflações: Vestuário, com -1,04%, e Saúde, com -0,25%.

Cebola está entre os produtos do grupo Alimentação que mais sofreram aumento. (Foto: Marcos Ermínio)Cebola está entre os produtos do grupo Alimentação que mais sofreram aumento. (Foto: Marcos Ermínio)

Segmentos - Em março de 2015 o grupo Habitação apresentou elevação de 2,80% em relação ao mês anterior. A energia elétrica foi o serviço que mais sofreu majoração, com 13,75%.

Também contribuiu para a alta o grupo Alimentação, que ficou em 0,91%. As maiores elevações foram constatadas com: abóbora (20,75%) e cebola (10,43%). Fortes quedas de preços ocorreram com: chuchu (-24,90%) e repolho (-13,07%).

“Esse grupo sofre muita influência de fatores climáticos e da sazonalidade de seus produtos, principalmente, verduras, frutas e legumes. Quando o clima é desfavorável, há aumento de preços e quando o cenário é contrário, há queda nos valores”, explica.

Carnes - Em fevereiro, 11 cortes de carne vermelha tiveram alta de preços. Já março registrou elevação em oito cortes. Sete cortes pesquisados sofreram quedas de preços, entre eles, picanha (-3.12%) e coxão mole (-1,58%), com as maiores quedas.

Outras altas - O grupo Transportes também contribuiu bastante para o aumento do indicador. Houve alta de 0,65% em seu índice devido aos aumentos de preços do diesel (1,02%), pneu novo (1,01%) e gasolina (0,91%).

Sofreu pequena alta o grupo Educação, que ficou em 0,22% devido a aumentos em produtos de papelaria. Já os grupos de Saúde e Vestuário registraram queda. Saúde ficou em -0,09% e, Vestuário, com -0,04%. Não foi constatada nenhuma redução de preço no grupo Despesas Pessoais. O índice foi de 0,68%.

Futuro - Segundo Souza, a inflação de abril também apresentará alta. "Teremos o complemento de 14,44% da energia elétrica e a concessionária que abastece o Estado está solicitando um novo reajuste de 6% nas contas de energia, aumento esse previsto no contrato de concessão. Também teremos a alta nos preços dos medicamentos de 7,7%, em média", analisa o pesquisador.

Depois desses reajustes, espera-se que o mês seguinte, maio, apresente recuo na inflação em Campo Grande, “pois não há projeções de aumento em serviços ou produtos administrados pelo governo”, finaliza.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions