A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

17/07/2012 16:03

Entrada de redes nacionais dá chacoalhão no mercado de farmácias

Paula Vitorino

Sindicato dos donos de empresas do setor reclama que concorrência das grandes vai prejudicar as locais

Unidades da Drgoasil já estão prontas para inauguração. (Foto: Minamar Júnior)Unidades da Drgoasil já estão prontas para inauguração. (Foto: Minamar Júnior)

Atraídas por um mercado consumidor em crescimento, redes nacionais de farmácia estão chegando e cada vez mais investindo em unidades em Campo Grande. Boa para o consumidor, a chegada das grandes redes provoca chiadeira entre os empresários locais e coincide com mudanças na maior rede local do setor.

O Sinprofar (Sindicato dos Proprietários de farmácia) diz que a preocupação é em todo o estado e que alguns estabelecimentos de “filhos da terra”, já estão fechando as portas. Só na Capital, existem cerca de 300 farmácias.

Os comerciantes alegam não ter condições de competir com as grandes marcas e que a concorrência praticada é “predatória”.

“Eles não querem abrir a loja numa região que está começando. Abrem onde já sabem que o mercado está consolidado, até em frente de outras farmácias”, diz o presidente do Sindicato, Roberto Martins Rosa, que é proprietário da segunda maior rede de farmácias do Estado, a Droga Fic, com 10 unidades na Capital.

O mais novo investimento, que já está com as logomarcas espalhadas pela cidade, é a Drogasil. Com 384 farmácias em sete Estados, a rede vai inaugurar de uma só vez cinco lojas em Campo Grande.

A data ainda não foi revelada pela empresa, mas quem passa pelas lojas vê que estão em fase final de acabamento. A fachada está coberta, sob a alegação de que é para evitar que fique suja de poeira.

Uma das unidades fica no cruzamento das ruas Bahia e Amazonas, em frente á franquia de outra marca.

A rede Pague Menos, presente em todos os estados com mais de 500 unidades, vai para o quinto ano no mercado sul-matogrossense e anuncia ampliação dos investimentos. Ainda neste ano, o número de unidades na Capital passa de 6 para 7, com uma loja na avenida Afonso Pena. No Estado, a ampliação é de 9 para 10, com nova unidade em Três Lagoas.

A expectativa ainda é de que outra rede nacional chegue a Capital ainda neste ano, mas a empresa não confirma oficialmente o investimento.

Desigual - O presidente do sindicato diz que a concorrência com as grandes redes acaba sendo desleal porque as marcas compram as mercadorias de outros estados e em grande quantidade, com isso, as farmácias regionais não conseguem competir com os preços.

Para igualar a concorrência, o sindicato defende que as redes nacionais sejam impedidas de importar os medicamentos de outros estados e também comprem os produtos das distribuidoras locais.

“A gente não sabe quais benefícios fiscais eles recebem nos seus estados. Não dá pra competir desse jeito”, frisa.

Perdas-O proprietário de uma farmácia franquiada, José Antônio Molina, afirma que seu faturamento caiu 30% desde a entrada da rede Pague Menos.

O Sindicato ainda alerta que as perdas são para a economia em geral. “Falam que estão gerando emprego e movimentando a economia, mas na verdade estão quebrando o comércio daqui e tirando até nossa mão de obra”, diz.

José ainda alega que os empresários das grandes redes ganham o dinheiro aqui, mas investem e gastam fora, em seus estados de origem.

Os comerciantes ainda reclamam da falta de incentivo e apoio fiscal. “Estão abrindo as portas para o comércio externo, mas esquecendo de nós. Tratando a gente como se fossemos bandidos, sonegadores de imposto”, reclama.

Novo nome- Até a maior rede e tradicional do setor no Estado, a São Bento, lançou uma segunda "marca", a Brasil Popular Saúde.

São quatro lojas na Capital, que, de cara, não apresentam nenhuma ligação com a rede e prometem preços mais baratos, populares. De acordo com a sub-gerente de uma das unidades, Érica Rodrigues, a oferta é direcionada a medicamentos de uso contínuo, os mais consumidos.

Um dos proprietários da São Bento, Luiz Fernando Buanain, diz que a abertura dessas unidades não tem ligação com o aumento das marcas nacionais. “Já fazia parte do nosso cronograma. A rede mais popular é uma tendência de vários setores”, diz.

Apesar do indicativo de prejuízo apontado pelo Sindicato, o empresário garante que a rede avalia diferente. A São Bento prevê, pare este ano, passar de 93 para 100 unidades em todo o Estado.

Buainaim diz que não há motivos para temer a concorrência e garante conseguir oferecer os mesmos preços. “Temos os mesmos produtos, o mesmo preço e a tradição. Estamos encarando com naturalidade a entrada das grandes marcas”, afirma.

Tem mercado - O gerente regional da Pague Menos, Sebastião Tribuzi, garante que a rede não compra medicamentos com benefícios. “Até temos esse direito, mas preferimos não ter beneficio para evitar retaliação dos outros estados”, explica.

Ele afirma que a marca se mantém na concorrência porque consegue lucra pouco na unidade, mas ganha no volume. “Os medicamentos que compramos 90% são direto das fábricas”, diz.

Sebastião também afirma que não há motivo para “desespero”, pois avalia que o Estado tem ainda muito campo para crescer. “Temos 60% dos 3 milhões de moradores que consomem remédios. Tem mercado para todo mundo”, acredita.

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...


VIVA O PREÇO BAIXO, ATÉ QUE ENFIM ACABAR COM ESSAS CONCORRENTES QUE TEM O MONOPÓLIO AQUI EM CAMPO GRANDE. VIVA E PARABÉNS POR ESSA INICIATIVA DESSA NOVA EMPRESA. QUE VENHAM MUITO MAIS CONCORRENTES.
ASSIM A POPULAÇÃO MAIS CARENTE TERÁ MAIS CHANCE DE TER ACESSO A REMÉDIOS.
 
ADENILSON jose rebeque em 18/07/2012 12:31:54
Quem ganha com isso é o consumidor, com preços mais baratos e atendimento de qualidade. Não somos obrigado a pagar um absurdo nesses remédios.
 
marcelo mansilha em 18/07/2012 11:24:00
É até patético, o que o sindicato fala que até os "filhos da terra" estao fechando as portas, nao fazem nada pra ampliar suas lojas e se acomodam e depois quando vem tambem uma empresa que como qualquer outra começa do zero e cresce acham ruim...mais é assim mesmo o mundo hj nao tem mais espaço pra quem fica acomodado, tem que buscar crescimento e novos horizontes...ok
 
Pedro henrique em 18/07/2012 10:58:03
ta seria bom se todos tivessem essa condicao de trazer medicamentos de fora sem impostos aqui do Estado, ai ficaria bom para todo mundo precos baixos
 
carlos alves em 18/07/2012 10:42:13
VIVA O PREÇO BAIXO, QUEM ACHAR RUIM QUE ABAIXE OS PREÇOS, AGORA NÃO ADIANTA CHORAR, DEVIAM TER RESPEITADO O CONSUMIDOR ANTES, SÓ COMPRO NAS GRANDES REDES.
 
EDSON RENATO em 18/07/2012 09:46:04
viva a concorrência, muito bom para o consumidor, pois tem muita gente com poucos recursos para adquirir medicamentos.
 
ivanilde alves em 18/07/2012 08:53:05
Nada pode ter manipulação nem controle de coronéis; quanto mais concorrência melhor e faz o empresário melhorar o serviço e o produto, respeitando a clientela. Todo comércio hoje no Brasil, só tem prejuizo nos casos de mau administradores do negócio.
 
luiz alves em 18/07/2012 08:40:54
O mercado de farmácias no Brasil está muito pulverizado. Temos centenas de franquias espalhadas. As grandes redes internacionais observaram o fato e estão comprando farmácias já consolidadas, um movimento natural do mercado. Os donos que não conseguem competir devem buscar uma boa oferta pela sua loja e seguir em frente. Sem choradeira de querer impedi-las de oferecer um bom preço ao consumidor.
 
carlos de moraes em 18/07/2012 08:32:13
Já estava na hora de acabar com o monopólio...
 
Luciano Bandeira em 18/07/2012 08:01:31
Ainda bem que esta chegando concorrência viva preço baixo!!!!
 
jose da silva em 17/07/2012 07:35:19
que bom que essas redes cheguem a cidade com precos baixos, pois por muito tempo a maior rede da cidade explorou esse mercado,sem dar descontos a populacao,e ainda quando sabia que alguma farmacia estava vendendo bem, abria uma loja na frente ou ao lado. agora vai sentir o que muitos farmaceuticos passaram nas maos deles. viva as farmacias de descontos
 
claudio camargo em 17/07/2012 05:29:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions