A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018

12/07/2011 22:29

Fusão entre Perdigão e Sadia não terá demissões nem aumento de preços, diz representante da BrFoods

Débora Zampier, da Agência Brasil

O vice-presidente para Assuntos Coorporativos da Brasil Foods (BrFoods), Wilson Newton de Melo Neto, afirmou hoje (12) que a fusão entre Perdigão e Sadia – que resultou na criação da megaempresa do setor de alimentos em 2009 – não levará a demissões nem a aumento de preços dos produtos. Ele respondeu a questionamentos da Comissão de Direitos do Consumidor da Câmara dos Deputados na véspera do julgamento sobre a fusão, que ocorre amanhã (13), no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

“Vamos gerar mais e cada vez mais empregos no Brasil”, garantiu Melo Neto, que também prometeu melhorar a relação com o produtor. A empresa tem cerca de 20 mil produtores integrados. Atualmente, a BrFoods gera 120 mil empregos diretos e 200 mil indiretos. É a terceira maior exportadora brasileira, com R$ 10 bilhões vendidos para o exterior no ano passado, e tem 60 fábricas no país.

Melo Neto disse que as demissões em massa são uma realidade na maioria das fusões, mas que esse quadro não se aplica à BrFoods. “Em janeiro deste ano, a empresa tinha 6 mil vagas abertas, e ainda tem dificuldade para preenchê-las”.

Para Melo Neto, o risco de aumento de preço percebido pelo Cade não foi sentido pela população desde a criação da BrFoods. “Em 2010, o aumento de preço dos nossos produtos ficou abaixo da inflação”. Ele também afirmou que as críticas sobre concentração de mercado em determinados segmentos, como o de massas e pratos prontos, não se justificam pela baixa penetração que esses produtos têm nos lares brasileiros, entre 12% e 20%.

Melo Neto afirmou ainda que há uma “mistificação” sobre a falta de concorrência, e que o fato de a empresa não ter concorrentes à altura hoje não significa que ela está livre de perder clientes caso cometa erros no tratamento ao consumidor.

Dólar fecha em queda, cotado a R$ 3,71, de olho no cenário eleitoral
O dólar fechou a sexta-feira (19) em queda com o mercado ainda acompanhando o cenário eleitoral. A moeda caiu 0,26%, vendida a R$ 3,7125. Na semana, ...
Preço da gasolina cai 2% nas refinarias a partir de amanhã
A Petrobras anunciou hoje (19), em sua página na internet, que o preço do litro da gasolina ficará 2% mais barato em média nas refinarias de todo o p...
Índice que reajusta aluguel acumula inflação de 10,88% em 12 meses
O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel, subiu 0,97% na segunda prévia de outubro. A taxa é inferior ao 1...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions