A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

14/07/2010 17:32

Governo trava briga com Natura para pagamento de ICMS

Redação

A Natura, uma das maiores empresas do setor de beleza no Brasil, trava uma briga na Justiça com o Governo de Mato Grosso do Sul por causa do pagamento de ICMS sobre os produtos que vende.

Hoje, segundo o Governo, a Natura não está recolhendo o tributo, apesar de decisão do TJ (Tribunal de Justiça), do dia 7 de junho, derrubando liminar que permitia à empresa recolher o imposto em juízo.

Incluída no regime especial, a Natura recolhia antecipadamente o imposto, com base em uma margem de lucro pré-estabelecida. Essa margem foi estimada em 40% e, segundo alega a empresa, não reflete o ganho real, que seria abaixo disso.

A Natura quer reduzir essa margem para 22%, embasada em pesquisa encomendada à Fundação Getúlio Vargas.

Quanto à alegação da empresa de considerar alta a margem de lucro, o Governo afirma que a margem legal estabelecida nas normas estaduais e nacionais é de 60%.

A administração estadual informou que realizou pesquisa junto a mil consultores, enquanto a pesquisa da FGV ouviu 400, que, considerados os descontos e os produtos adquiridos para consumo pelos consultores, "se obteve a margem de lucro de 48%, ou seja, maior que os 40% adotados pelo Estado".

A Natura reclama, ainda, da aplicação dessa margem de lucro sobre o preço dos produtos cobrados na revista onde eles são oferecidos, a alteração recente que, segundo alega, aumentou o valor do imposto devido.

"A Natura não concorda com a medida do governo e vem discutindo a questão em juízo", diz a empresa em carta aos consultores, divulgada também em jornais locais.

No texto, a empresa diz que negocia com o governo desde 2008 e, "por enquanto", não haverá aumento de preços para os clientes, e que pretende continuar depositando em juízo os valores.

No entendimento do Governo do Estado, os argumentos da carta aos consultores são "falaciosos".

Em relação ao não pagamento do tributo, a nota do Governo do Estado a respeito afirma que " a empresa está obrigada a pagar o imposto normalmente, o que não vem ocorrendo, com a empresa permanecendo inadimplente perante o Fisco Estadual, o que demonstra flagrante intenção sonegatória para com o Estado e, principalmente, com seus consultores e consultoras, com o agravante da tentativa de ludibriar seus consumidores e a opinião pública".

O presidente da empresa, Guilherme Leal, é candidato a vice-presidente na chapa encabeçada pela ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva.

Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...
Prazo para regularizar débitos com fisco estadual vence na sexta-feira
Contribuintes que possuem débitos com o fisco estadual têm até sexta-feira (15) para aderirem ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) de Mato Gross...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions