ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 22º

Economia

Grupo é criado para acompanhar relicitação da malha ferroviária em MS

GT Ferrovia MS irá acompanhar os trabalhos de implantação e relicitação da malha ferroviária no Estado

Por Silvia Frias | 23/03/2021 08:02
Malha Oeste, controlada pela Rumo, está nos planos de relicitação do governo (Foto/Divulgação)
Malha Oeste, controlada pela Rumo, está nos planos de relicitação do governo (Foto/Divulgação)

Governo estadual instituiu grupo de trabalho Ferrovias MS (GT Ferrovias MS) para acompanhar a implantação, relicitação e modernização do serviço de transporte ferroviário.

O grupo irá acompanhar os trabalhos relacionados nas malhas ferroviárias de MS: Malha Norte, Malha Oeste e Ferroeste.

Pelo decreto, o GT Ferrovia MS será formado por integrantes da Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Seinfra (Secretaria Estadual de Infraestrutura), DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte), Assembleia Legislativa, Assomasul (Associação dos Municípois de MS), um dos municípios das áreas de influência das malhas Norte, Oeste e Ferroeste, do sindicato dos trabalhadores, FIEMS (Federação das Indústrias do Estado de MS), Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) e ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

A presidência do grupo será do titular da Semagro, Jaime Verruck.

O GT Ferrovias MS poderá propor acordos de cooperação técnica e participar de outros grupos de trabalho com outras unidades da federação e com o Governo Federal. A participação não será remunerada.

A relicitação da malha faz parte do projeto de investimentos no transporte em MS. Uma das mais adiantadas é da Malha Oeste, que teve sua qualificação recomendada pela PPI em dezembro de 2020.

A Malha Oeste é controlada pela Rumo, que também detém as concessões das Malhas Paulista, Norte, Central e Sul. Hoje, está depreciada, segundo informações do governo estadual. Os investimentos são insuficientes para operação adequada do serviço, acarretando perda da capacidade de transporte, velocidades abaixo de seu potencial e volume de carga transportado limitado.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário