A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

27/12/2010 17:05

ICMS cai para 43 municípios, mas cidades maiores terão acréscimo

Fernanda França

Em 43 municípios de Mato Grosso do Sul, os prefeitos terão menos receita de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para administrar no ano que vem.

Por outro lado, algumas das principais cidades do Estado, como Dourados, Campo Grande, Três Lagoas e Ponta Porã, terão acréscimo nos valores.

Ao todo, 35 prefeituras abocanharão mais dinheiro da cota a que têm direito no imposto arrecadado pelo governo.

O índice definitivo de participação dos municípios no bolo tributário estadual foi publicado na edição desta segunda-feira do Diário Oficial. Por lei, os municípios têm direito a 25% da receita total do ICMS.

Em outubro, a Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda) divulgou um índice provisório, e mais de 50 prefeituras que tiveram perda de receita resolveram recorrer.

Entretanto, poucas tiveram sucesso, conforme informou nesta tarde o responsável pelo setor econômico da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Santo Rossetto.

De acordo com ele, integram o índice de participação dos municípios na arrecadação do ICMS os seguintes critérios e percentuais: Valor adicionado (75%), receita própria (3%), extensão territorial (5%), números de eleitores (5%), ICMS ecológico (5%) e uma parte igualitária entre os 78 municípios (7%).

Entre os 43 municípios atingidos pela queda de receita, está Itaquiraí, que recebeu este ano R$ 131.889 mil, contra os R$ 119.527,18 que terá em 2011.

O prefeito de Porto Murtinho, Nelson Cintra (PSDB), que investiu em um mês de ICMS este ano, R$ 687.470, usando como exemplo a mesma média de R$ 70 milhões mensais, terá de se contentar com R$ 643.930 em 2011.

Brasilândia é a prefeitura que menos perderá em 2011, com queda de -0,01. Por outro lado, Itaquiraí será o município mais prejudicado, com -9,37 a menos de ICMS em seus cofres no próximo ano.

Entre as 35 cidades que aumentaram a participação no bolo, Alcinópolis é a que mais ganhou, com 10,05% de diferença entre o que recebeu neste ano e o que abocanhará em 2011.

Três Lagoas, cidade industrializada na fronteira com São Paulo, também obteve bom crescimento do índice, garantindo para o próximo ano 7,14% a mais do que recebeu em 2010.

Já o município fronteiriço de Ponta Porã registrou crescimento de 2,39% na participação do bolo tributário, se comparado ao valor recebido em 2010. Campo Grande terá 1,99% a mais que os valores obtidos neste ano para investir.

Entre as grandes cidades, Corumbá foi a única que perdeu. O município, que faz fronteira com a Bolívia, terá -3,77% em seus cofres no próximo ano, oriundos da arrecadação de ICMS.

Segundo a Assomasul, além da queda no repasse do ICMS, o rombo maior ficou por conta das quedas constantes verificadas no FPM (Fundo de Participação dos Municípios).

Os municípios que terão menos recursos oriundos do ICMS em 2011 são: Itaquiraí, Corguinho, Nova Andradina, Dois Irmãos do Buriti, Santa Rita do Pardo, Amambaí, Porto Murtinho, Jardim, Maracaju, Sete Quedas, Sonora, Miranda, Nova Alvorada do Sul, Corumbá, Laguna Carapã, Bonito e Cassilândia, Selvíria, são Gabriel do Oeste, Inocência, Bela Vista, Iguatemi, Jaraguari, Pedro Gomes, Guia Lopes da Laguna, Nioaque, Chapadão do Sul, Camapuã, Tacuru, Sidrolândia, Ribas do Rio Pardo, Coronel Sapucaia, Deodápolis, Figueirão, Paranhos, Antonio João, Rochedo, Bodoquena, Caarapó, Aral Moreira, Rio Negro, Paranaíba e Brasilândia.

Já as que terão maior participação no bolo tributário são: Alcinópolis, Angélica, Anaurilândia, Juti, Japorã, Três Lagoas, Caracol, Glória de Dourados, Rio Verde, Bataguassu, Ladário, Bandeirantes, Aparecida do Taboado, Aquidauana, Ivinhema, Rio Brilhante, Ponta Porã, Taquarussu, Campo Grande, Anastácio, Naviraí, Itaporã, Eldorado, Terenos, Coxim, Jateí, Douradina, Novo Horizonte do Sul, Água Clara, Batayporã, Dourados, Vicentina, Costa Rica, Fátima do Sul e Mundo Novo.



Muito me causa estranheza um vereador de Corumbá fazer um comentário que é melhor cair o repasse do ICMS para o municipio que o elegeu para Vereador. Não foi a toa que levou uma tremenda surra na eleição passada e agora com esse discurso com certeza nem para vereador o mesmo ganha. É preciso unir forças contra o "roubo" que o governo do MS esta fazendo contra alguns municipios e isso é puro e simplesmente revanchismo politico. E quando um representante do povo não assume sua função fica dificil. Outro fato que a justiça já esta dando parecer favorável ao ICMS de quase 80 milhões que o governo do MS esta devendo ao municipio de Corumbá (MS).
 
Mario Márcio CG em 29/12/2010 10:01:15
nao adianta nada Corumba aumentar ou nao a arrecadacao,o prefeito Ruiter investe tudo nos empreiteiros de campogrande
 
oseas ohara de oliveira em 28/12/2010 09:02:29
Em Alcinópolis a arrecadação se deve principalmente a maior participação no Bolo do ICMS ecológico, não só pela quantidade em áreas de unidade de conservação, mas principalmente em investimento na qualidade de vida da população e na responsabilidade ambiental, aterro sanitário é um exemplo e agora com área em processo de licenciamento para entulhos, a continuidade dos projetos ao longo desses anos fez aumentar o fator qualitativo, fator que resultou na perda de receitas de outros municípios beneficiários do Ecológico por não terem feito o dever de casa.
 
Edilson Cotonett em 28/12/2010 08:02:51
Engraçado Itaquiraí perdeu ICMS e Corumbá perdeu ICMS, ambas administradas pelo PT. Seria uma retaliação do governador, que já deve quase 80 milhões a Corumbá e que inicialmente a justiça já começou a dar ganho de causa ao municipio e com certeza esse revanchismo do governador que só perdeu em Corumbá será revisto pela justiça.
 
Mário Márcio em 28/12/2010 06:54:51
esta dificil mesmo corumba receber este dinheiro do estado como este governo e ruim para o nosso municipio.
 
RONALDAO CORUMBA em 27/12/2010 08:40:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions