ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 25º

Economia

Inflação sobe 0,28% em outubro e Capital registra o 3º mês consecutivo de alta

Apesar do período de elevação, saldo ainda segue abaixo dos 12 meses anteriores

Por Jhefferson Gamarra | 10/11/2023 12:55
Consumidores em supermercado da Capital (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Consumidores em supermercado da Capital (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

Em outubro, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em Campo Grande manteve a tendência de alta pelo terceiro mês consecutivo, registrando um aumento de 0,28%. Embora o número represente uma desaceleração em comparação com setembro, quando a variação foi de 0,46%, a capital sul-mato-grossense acumula uma elevação de 3,83% no ano e de 4,50% nos últimos 12 meses, ainda abaixo dos 4,69% observados no mesmo período anterior.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, seis apresentaram aumento de preços em outubro. Saúde e cuidados pessoais (0,65%) e vestuário (1,50%) foram os maiores contribuintes, somando 0,08% e 0,07% ponto percentual, respectivamente. Em contrapartida, comunicação (-0,15%), habitação (-0,12%) e transportes (-0,11%) registraram quedas. Os demais grupos ficaram entre alimentação e bebidas (0,27%) e artigos de residência (1,51%).

No grupo alimentação e bebidas, a alta de 0,27% foi impulsionada pela elevação de 0,12% nos preços dos alimentos no domicílio, após cinco meses consecutivos de queda. Itens como batata-inglesa (23,19%), cebola (18,12%) e mamão (10,93%) lideraram as altas, enquanto repolho (-13,20%) e banana-d’água/nanica (-12,72%) registraram quedas significativas. A alimentação fora do domicílio (0,70%) desacelerou em relação ao mês anterior.

Habitação apresentou uma queda de 0,12% em outubro, revertendo o cenário do mês anterior (0,72%). A redução nos preços do gás de botijão (-1,09%), mudança (-3,74%) e artigos de limpeza (-0,98%) foram os principais fatores que contribuíram para esse resultado. Aumentos no aluguel residencial (0,38%) e na mão de obra (0,68%) não foram suficientes para evitar a diminuição no grupo.

Saúde e cuidados pessoais teve uma alta de 0,65%, sendo o que mais contribuiu para a inflação local, com 0,08 ponto percentual. O destaque vai para os produtos farmacêuticos, que mantiveram a tendência de alta, registrando 0,9% em outubro. O aumento no plano de saúde (0,68%) também influenciou positivamente no resultado do grupo.

Apesar do aumento de 22,53% nas passagens aéreas, o grupo transportes apresentou uma queda de 0,11% em outubro, impactando negativamente o índice em -0,02 ponto percentual. As reduções nos preços de conserto de automóvel (-2,1%), automóvel usado (-1,84%) e gasolina (-0,36%) foram os principais responsáveis por esse resultado.

Vestuário registrou uma alta de 1,5% em outubro, sendo impulsionado pelos subgrupos roupas (1,64%) e calçados e acessórios (2,1%). Camisa/camiseta masculina (2,44%) e tênis (2,22%) foram os destaques positivos, enquanto joia (-1,1%) e tecido (-2,06%) apresentaram quedas.

Artigos de residência teve uma variação mensal de 1,51% em outubro. Ar-condicionado (9,63%), eletrodomésticos e equipamentos (2,79%) e aparelhos eletrônicos (2,75%) foram os subitens com as maiores altas, enquanto utensílios de metal (-2,33%) e tapete (-2,19%) registraram as maiores quedas.

Educação, após uma variação de 0,78% em agosto, desacelerou em outubro (0,28%), sendo influenciado pelos aumentos em caderno (3,85%), livro não didático (3,13%) e autoescola (2,38%), e pela queda em artigos de papelaria (-1,67%). Por fim, o grupo de comunicação apresentou uma variação de -0,15% em outubro, influenciado pela queda nos subitens aparelho telefônico (-0,71%) e plano de telefonia fixa (-0,65%).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias