ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, SEXTA  10    CAMPO GRANDE 20º

Economia

Intenção de compra sobe 15 pontos e deve melhorar no Natal, diz pesquisa

Dados do levantamento foram comparados com o mesmo período em 2017

Por Danielle Valentim | 23/11/2018 10:28
Para quem ganha mais de dez salários mínimos o índice é positivo, mais de 20 pontos acima do índice geral. (Foto: Henrique Kawaminami)
Para quem ganha mais de dez salários mínimos o índice é positivo, mais de 20 pontos acima do índice geral. (Foto: Henrique Kawaminami)

Pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) aponta uma leve queda na ICF (Intenção de Consumo das Famílias) dos campo-grandenses em novembro (96,2 pontos), em comparação aos 96,9 pontos registrados no mês de outubro, uma redução de 0,7%. No entanto, quando comparado a novembro de 2017 (78,8 pontos) o aumento é de mais de 15 pontos.

Para quem ganha mais de dez salários mínimos o índice é positivo, mais de 20 pontos acima do índice geral (118,4 pontos). Já para quem ganha menos de dez salários, a confiança é menor, com diferença de mais de quatro pontos (91,9).

Dos sete indicadores apurados, apenas três apresentaram índices positivos, perspectiva profissional (4,1%), compra a prazo (acesso ao crédito) com 1,7%, e emprego atual (1,5%). O momento para duráveis registrou o pior índice (-5,1%), seguido pelo nível de consumo atual (- 4,3%) e perspectiva de consumo (- 3,7%). Por último, a renda atual (- 2,5%).

A pesquisa apontou também que os consumidores estão mais seguros em relação à situação atual do emprego (41,7%) e que a maioria tem uma perspectiva profissional positiva para os próximos seis meses (57,8%). Já em relação a avaliação da renda atual, 45,4% afirmam que está igual ao ano passado.

"Estamos nos aproximando dos preparativos para as festas de fim de ano, Natal e Ano Novo, e as confraternizações do período, o que deve ajudar a melhorar o índice no próximo mês. A pesquisa mostra que a perspectiva de consumo deve se manter igual ao ano passado, o que é positivo”, afirma o presidente do Instituto de Pesquisa da Fecomércio-MS (IPF-MS), Edison Araújo.