A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

05/05/2010 09:10

Leite sobe quase 8% e carne 7,5% na Capital

Redação

Antes mesmo da entressafra os preços de leite e carne subiram significativamente no mês de abril, figurando entre os principais produtos que elevaram o custo de vida do campo-grandense, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor desenvolvido pela Universidade Anhanguera-Uniderp.

"O grupo Alimentação mais uma vez foi o grande responsável pela alta geral do índice", destaca o coordenador do Nepes (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais), professor Celso Correia de Souza.

No mês passado, o índice de preços do grupo Alimentação apresentou uma forte inflação, de 1,97%. De acordo com o levantamento do Nepes, de um modo geral, contribuíram positivamente na composição desse índice os fortes aumentos de preços dos seguintes produtos: cebola 30,69%, batata 26,83%, feijão 25,88%, limão 15,90%, entre outros com menores aumentos.

No subgrupo Carnes, foi constatado que os preços da carne bovina, de modo geral, sofreram aumentos de preços. Somente três cortes apresentaram quedas: fígado (-3,73%), filé mignon (-3,15%) e músculo (-1,23%).

"Com aumentos de preços tivemos a paleta, com 7,42%; o lagarto, com 6,75%; o contrafilé, com 5,41%; o acém, com 5,35%, entre outros com menores aumentos. Como vai iniciar a entressafra da carne bovina, esses aumentos nesse momento preocupam, pois certamente outros virão nos próximos meses", avalia Correia. Os cortes de carne suína também registraram aumentos de preços. A costeleta subiu 6,40%; o pernil, 3,99%; e a bisteca, 1,15%. Os miúdos de frango apresentaram alta de 0,97%, porém o frango congelado apresentou queda de preço (-0,78%). No caso do leite pasteurizado, o aumento foi de 7,92%.

Nos grupos Habitação e Vestuário os índices foram de 0,35% e 2,28%, respectivamente. As maiores variações positivas de produtos/serviços na composição do índice do grupo Habitação: saponáceo (7,35%), limpa vidros (5,87%), inseticida (3,25%). Já no grupo Vestuário, os produtos que tiveram as maiores altas de preços foram: camisa masculina, com 12,79% de aumento; bermuda e short feminino, com 12,53%; e sapato feminino, com 4,99%.

Também registraram índices positivos em abril os grupos Despesas Pessoais e Saúde. O primeiro apresentou inflação de 0,22%. Os produtos e serviços que apresentaram as variações positivas mais significativas foram: cabeleireiro (corte e tintura), com 5,20%; fio dental, com 4,56%; e papel higiênico, com 1,69%. O grupo Saúde registrou índice de 0,10%, com aumentos, principalmente, nos preços de: material para curativo (7,51%), anticoncepcional e hormônio (5,46%), antimicótico e parasiticida (5,39%).

Apenas os grupos Transportes e Educação apresentaram deflação. "Observamos uma forte queda nos preços do etanol e da gasolina, em relação ao mês de março. O índice do etanol ficou em -11,61% e o da gasolina em -2,30%. São produtos que pesam nos orçamentos familiares, então, contribuíram para segurar a inflação em abril", destaca o pesquisador do Nepes, professor José Francisco dos Reis Neto. No grupo Educação, a pequena deflação de 0,02% ocorreu devido à queda nos preços dos itens de papelaria.

Acumulada

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions