A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 24 de Julho de 2017

14/07/2017 08:15

Metade das empresas com incentivos no Indubrasil abandonou projetos

Prefeitura está contatando empresários e 13 já devolveram as áreas

Osvaldo Júnior
Construção inacabada e abandonada no Polo Empresarial Oeste (Foto: Alcides Neto)Construção inacabada e abandonada no Polo Empresarial Oeste (Foto: Alcides Neto)

Construções abandonadas há anos, prédios pichados, placas da prefeitura deterioradas pelo tempo... Este é o cenário de parte significativa do Polo Empresarial Oeste, no Bairro Núcleo Industrial, em Campo Grande. No total, 54 empreendimentos, que contam com incentivos fiscais e outros benefícios, estão desativados. A quantidade corresponde à metade das empresas beneficiadas pelo Prodes (Programa para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande), com recebimento de áreas e outros incentivos para se instalar no local.

De acordo com a Sedesc ( Secretaria de Desenvolvimento Econômico e de Ciência e Tecnologia), há, no polo, 146 lotes, dos quais 35 estão livres e três são áreas públicas que não podem ser doadas. Os 108 restantes correspondem a terrenos doados pelo município, no âmbito do Prodes.

Esse programa prevê incentivos diversos à instalação ou expansão em Campo Grande de empresas dos setores da indústria, comércio e serviços. Entre os benefícios, estão concessão e limpeza de terrenos, redução e/ou isenção temporárias de tributos e capacitação de mão de obra.

Para contar com os incentivos, a empresa precisa ter projeto aprovado pelo Codecon (Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico) e pela Câmara de Vereadores. No projeto, deve informar, entre outros dados, número de empregos oferecidos, planos das atividades e serviços que serão implementados e cronograma de execução físico-financeira. 

Metade das empresas com incentivos no Indubrasil abandonou projetos

Ocorre que nem sempre os compromissos assumidos nos projetos são concretizados. Por problemas financeiros ou outros fatores, quantidade acentuada de empreendimentos não sai do papel ou não avança para além de prédios inacabados.

Conforme o titular da Sedesc, Luiz Fernando Buainain, em 54 dos 108 lotes doados a empresas no Polo Empresarial Oeste, os empreendimentos estão funcionando. O problema está na outra metade.

Placa antiga, ainda da gestão Bernal, em frente a área doada a empresa (Foto: Alcides Neto)Placa antiga, ainda da gestão Bernal, em frente a área doada a empresa (Foto: Alcides Neto)

A metade morta – No "lado abandonado" do polo, há placas de gestões anteriores informando que as áreas foram doadas pelo município. Há, por exemplo, em meio ao mato, uma placa com a inscrição “Mais uma empresa incentivada pela Prefeitura”, acompanhada do slogan “As pessoas em primeiro lugar”, do ex-prefeito Alcides Bernal (PP). Atrás da placa, há um terreno deserto, abrigando um prédio de portas fechadas e com ares de abandono.

Construções mais antigas e inacabadas são marcadas por pichações e apresentam rastros de consumo de drogas e uso para fins diversos. Nesses prédios, o Campo Grande News verificou algumas roupas velhas jogadas, preservativos, revista masculina, isqueiros, pratos e colheres, indicando possível consumo de crack.

Prédios inacabados são marcados por pichações e depredações (Foto: Alcides Neto)Prédios inacabados são marcados por pichações e depredações (Foto: Alcides Neto)
Colher e isqueiros velhos indicam que o local já serviu para uso de crack (Foto: Alcides Neto)Colher e isqueiros velhos indicam que o local já serviu para uso de crack (Foto: Alcides Neto)

Alterações – Na busca de controle maior da doação de áreas e concessão de outros benefícios, o município analisa mudanças na lei do Prodes. Comissão, formada pela Sedesc e outras secretarias, debatem os problemas atuais do programa para fundamentar projeto de lei a ser encaminhado pelo Executivo à Câmara de Vereadores. Com as alterações, poderá ter acompanhamento mais próximo das empresas que contam com os incentivos.

Paralelo a esse processo, a prefeitura está verificando a situação dos empreendimentos incentivados. “Há três blocos de empresas com benefícios: as que não construíram; as que começaram a construção e pararam; e as estão funcionando normalmente”, classificou o secretário. Empresários dos dois primeiros grupos estão sendo contatados pela prefeitura.

O município já encaminhou cartas para 17 empresários. Desses, 13 já devolveram as áreas para a prefeitura, justificando não terem recursos para investir no empreendimento, devido à retração da economia. “Os lotes devolvidos ao município correspondem a uma área total de 161 mil metros quadrados”, finalizou o secretário.

Prefeitura cria comissão para estudar mudanças nos incentivos fiscais
Foi dado nesta terça-feira (dia 4) mais um passo para a reformulação da lei do Prodes (Programa para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Gr...
Governo cancela incentivos fiscais de comércio de grãos da Capital
O Governo de Mato Grosso do Sul cancelou nesta terça-feira (13) o incentivo fiscal que havia sido concedido à empresa Euro Alimentos Ltda. Conforme t...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions