ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  30    CAMPO GRANDE 21º

Economia

Nova lei pode ser recomeço para 861 mil endividados em Mato Grosso do Sul

Lei do Superendividamento cria condições para ajudar quem já perdeu as condições de limpar o nome

Por Adriel Mattos | 20/07/2021 17:48
Com mudança, supendividado pode chegar a um acordo com as empresas. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)
Com mudança, supendividado pode chegar a um acordo com as empresas. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Entrou em vigor neste mês a Lei N.º 14181/2021, conhecida como Lei do Superendividamento. A nova legislação pode ser o recomeço para cidadãos que estão com um volume enorme de dívidas e querem se reerguer financeiramente.

O superendividado é aquele que deve um montante muito maior do que sua renda mensal, o que torna quase impossível limpar seu nome.

Em Mato Grosso do Sul, segundo o Mapa da Inadimplência no Brasil, divulgado recentemente pela Serasa, apontou que 861 mil sul-mato-grossenses têm pendências financeiras. O levantamento não especifica o número de pessoas “afundadas” em dívidas.

As cinco maiores cidades do Estado – Campo Grande, Dourados, Três Lagoas, Corumbá e Ponta Porã – são onde estão a maioria dos devedores. Apenas a Capital concentra 341 mil deles. Isso significa que pelo menos 37% dos moradores de Campo Grande estão com o “nome sujo”.

Desde agosto de 2020, o Nupaces (Núcleo Permanente de Atendimento ao Consumidor Endividado e Superendividado), do Procon/MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor), auxilia na negociação, inclusive com vários credores ao mesmo tempo. Dessa forma, o consumidor poderá reorganizar suas finanças mantendo sua subsistência.

A nova legislação inclui o Sistema Estadual de Proteção do Consumidor como um dos mediadores.

“Criamos antes da lei. Até agora, já atendemos dois mil consumidores, com um índice de resolutividade de 70%”, ressaltou o superintendente do Procon, Marcelo Salomão. Para entender como uma pessoa chega nessa situação, o superintendente explica que há dois tipos de endividados.

“Temos o patológico, que é aquele que gasta compulsivamente, que não pode ter dinheiro que acaba gastando. E temos a vítima do evento, que é aquele que perdeu sua renda, seu emprego ou viu diminuir a receita do seu comércio, que vem acontecendo muito na pandemia. Essas pessoas muitas vezes acabam usando cartões de crédito, que têm juros altos, e tem dificuldade de sair dessa situação”, pontuou.

“No caso do endividado, ele tem sua renda comprometida e não consegue sair disso. O superendividado já extrapolou, já deve muito mais do que sua renda”, conclui Salomão.

Para evitar que o consumidor volte ao rol de devedores, o Procon/MS conta com uma equipe que orienta o cidadão para evitar essas “armadilhas”. “Temos aqui pedagogo, psicólogo, toda uma equipe que vai entender a situação dessa pessoa e evitar que volte a isso”, destacou.

Antes de procurar uma unidade da superintendência, o devedor precisa reunir documentos para informar sua receita e despesa, ou seja, o valor da renda mensal e quanto ela é comprometida com, por exemplo, contas de água e energia elétrica.

Consignados - Um problema que piorou na pandemia de Covid-19 foi o de empréstimos consignados. Aposentados e pensionistas estão sendo vítimas até de operações financeiras que nem sequer pediram.

“Estamos autuando bancos que estão fazendo essa ação criminosa. Escravizam o consumidor a longo prazo, com 40, 60 ou 120 meses para pagar. Vendem ilusões com um juro altíssimo”, alerta Salomão.

Caso o consumidor seja vítima dessa situação, deve procurar o Procon. Se o cidadão tiver contratado o empréstimo e está com dificuldades de pagar, também pode procurar uma unidade e pedir encaminhamento ao Nupaces.

É importante ressaltar que todos os serviços do Procon são gratuitos, inclusive o de orientação para evitar contrair novas dívidas.

Como funciona - De acordo com a nova lei, a pessoa superendividada também pode procurar a Justiça do seu estado, que deverá encaminhá-lo ao núcleo de conciliação e mediação de conflitos oriundos de superendividamento. Em Mato Grosso do Sul, o TJMS (Tribunal de Justiça) conta com o Nupemec (Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos).

Cada comarca conta com o Cejusc (Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania), que atende as cobranças que não foram judicializadas. Nesse caso, a recomendação é procurar a respectiva vara onde o processo foi instaurado.

Todo ano, entre novembro e dezembro, o TJMS, por meio do Nupemec, realiza em Campo Grande a Campanha “Limpa Nome”, em parceria com a ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande. Em 2020, mais de mil pessoas foram atendidas e renegociaram mais de R$ 3 milhões em dívidas.

Ainda conforme a lei, após o devedor procurar auxílio, a empresa é convocada para participar  da audiência de conciliação, em que a pessoa endividada irá propor o seu plano de pagamento. O credor ou seu representante que comparecer precisa ter poder para autorizar um eventual acordo.

Nesse caso, a cobrança da dívida será suspensa, assim como respectivos juros e multas. Além disso, a empresa que não enviar um representante ficará fora do acordo com o credor, no caso daquele que tem pendências em mais de um lugar, até que a pessoa devedora acabe de pagar todas as dívidas em que firmou acordo no dia da audiência.

Assim, a lei facilita ao máximo para que haja um acordo que possa ser cumprido. Por isso, é possível alterar algumas exigências do contrato original – valor total a ser pago, prazos e juros – podem ser modificadas, garantindo que a pessoa tenha condições de pagar. O credor que não concordar com o plano elaborado pela pessoa inadimplente será paga de acordo com plano entregue pela Justiça. O plano judicial compulsório terá outras condições.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário