A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 19 de Agosto de 2018

28/07/2017 15:15

Pelo terceiro ano, governo de MS fecha primeiro semestre com deficit

De janeiro a junho deste ano, o saldo foi negativo em R$ 404 milhões

Osvaldo Júnior
Receitas do governo de MS foram menores que as despesas no primeiro semestre (Foto: Divulgação)Receitas do governo de MS foram menores que as despesas no primeiro semestre (Foto: Divulgação)

Pelo terceiro ano consecutivo, o governo de Mato Grosso do Sul fechou as contas do primeiro semestre no vermelho. De acordo com balanço orçamentário, publicado no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (dia 28), o deficit, acumulado de janeiro a junho, foi de R$ 404,53 milhões. Este é o menor saldo para o período em pelo menos dez anos.

Nos seis primeiros meses de 2017, entraram nos cofres estaduais o montante de R$ 6,19 bilhões e saíram R$ 6,6 bilhões. Em números precisos, o saldo foi negativo em R$ 404.531.136,05. Nos acumulados de janeiro a junho de 2016 e de 2015, também houve deficit, porém menores – os resultados foram, respectivamente, de R$ 179,67 milhões e de R$ 333,54 milhões.

Nos anos anteriores (desde 2007), as contas estaduais terminaram o primeiro semestre superavitárias. O melhor resultado, nesse intervalo, foi contabilizado em 2008, quando as receitas superaram as despesas em R$ 559,92 milhões. A sequência de saldos positivos foi quebrada em 2015.

Neste ano, o governo elevou os gastos em ritmo maior que o crescimento da arrecadação. A receita acumulada de janeiro a junho foi 8,94% (ou de R$ 508,79 milhões) maior que a de igual período de 2016 (R$ 5,687 bilhões). No entanto, as despesas tiveram incremento de 12,5% (ou de R$ 733,65 milhões) na comparação com o primeiro semestre do ano passado (R$ 5,86 bilhões).

O principal tributo – o ICMS (Imposto sobre Ciruclação de Mercadorias e Prestação de Serviços) – proporcionou receita de R$ 2,138 bilhões no primeiro semestre deste ano, valor 1,04% inferior aos R$ 2,161 acumulados em igual intervalo do ano passado.

A queda relativa mais acentuada foi a do ITCD (Imposto sobre Trasmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos). De janeiro a junho deste ano, a receita com esse tributo foi de R$ 46,13 milhões, 24% a menos que os R$ 70,47 milhões relativaos aos mesmos meses de 2016.

As despesas com pessoal e encargos sociais foram as que mais cresceram entre os principais gastos do governo. De R$ 3,78 bilhões aumentaram para R$ 4,39 bilhões, variação de 15,9%.

Também impactaram no crescimento do deficit as contas previdenciárias. Com queda de 2,2% das receitas (de R$ 63,88 milhões para R$ 62,47 milhões) e aumento de 13% nas despesas (de R$ 1,61 milhão para R$ 1,83 milhão), o resultado previdenciário retraiu em 2,6%, de R$ 62,27 milhões para R$ 60,64 milhões.

Aumento de benefícios a produtor rural pode ser vetado, diz secretário
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse hoje (17) que o governo federal estuda vetar a ampliação de benefícios a produtores rurais ...
Dólar fecha a semana cotado a R$ 3,91, acumulando alta de 1,31%
A moeda norte-americana encerrou hoje novamente (17) em alta de 0,24%, cotada a R$ 3,9147 na venda, fechando uma série de três pregões consecutivos d...
Hotel em Orlando ganha tema Jurassic World
Sempre se reinventando, Orlando não mede gastos para investir seja em novas atrações nos parques ou em estrutura e serviços para os turistas. Agora é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions