A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

07/06/2011 18:36

Percentual que MS destina à dívida é "insustentável", define Guido Mantega

Marta Ferreira e Débora Diniz, de Brasília
Para o governador André Puccinelli, existe abertura para renegociação da dívida de MS (Foto: divulgação)Para o governador André Puccinelli, existe abertura para renegociação da dívida de MS (Foto: divulgação)

“Insustentável” . Foi a definição dada nesta tarde pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, para o percentual de 15% da receita corrente líquida que Mato Grosso do Sul compromete com o pagamento da dívida, renegociada em 1997 com a União.

A declaração do ministro foi em resposta à explanação do governador André Puccinelli (PMDB), nesta tarde, sobre as dificuldades enfrentadas pelo governo estadual para arcar com o pagamento da dívida, durante reunião com 10 governadores do Centro-Oeste e do Norte para tratar da reforma tributária.

Para o governador, a definição de Mantega significa a abertura de uma possibilidade de renegociação do acordo da dívida. Puccinelli contou que Mantega se mostrou incrédulo ao saber do percentual e chegou a pedir para seus assessores confirmarem, o que foi feito.

Como o percentual é atrelado à receita líquida, o pagamento da dívida consome, também o esforço de aumento de arrecadação do Estado. No ano passado, o montante repassado ao governo federal passou dos R$ 630 milhões e este ano deve passar dos R$ 700 milhões este ano.

Sobre a reforma tributária- Ao sair da reunião, o governador disse que os estados aceitam mudanças na forma como é feita a tributação no País, para acabar com a chamada guerra fiscal, mas que elas devem vir acompanhada de medidas para compensar eventuais perdas.

Puccinelli disse que a proposta do Ministério para a reforma tributária, que voltou a ser debatida, é de unificar o ICMS em 2% e que, em relação a isso, até concorda, mas insistiu que é preciso determinar maneiras de compensar os estados.

O governador disse, ainda, que ele e os outros chefes do Executivo concordam com a discussão fatiada da reforma, desde que “se discuta a dívida dos estados, a lei Kandir e a distribuiçã dos royalties do pré-sal”.

De acordo com o Puccinelli, a discussão deve ser “igualitária”, de forma a não favorecer nenhum estado. Nas palavras do governador, “a guerra fiscal termina, desde que haja compensação constitucional”.

Na semana passada, Mato Grosso do Sul teve trechos de sua lei de incentivos fiscais declarados inconstitucionais pelo STF. O Estado também trava uma briga judicial com empresas que vendem pela internet, após ter decidido cobrar ICMS na entrada dos produtos.

Sobre isso, Puccinelli comentou que a alternativa seria uma emenda constitucional, que equacionasse a situação.

Procon da Capital abre campanha para orientar comércio e consumidor no Natal
O Procon (Subsecretaria de Proteção e Defesa do Consumidor) de Campo Grande dá início nesta segunda-feira (18) a uma semana de orientação e atendimen...
Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...


A cobrança de ICMS de empresas que vendem pela internet é dinheiro que entra para a saúde e educação do estado, ou os governantes estão pretendendo construir outro maior ainda aquário de água doce?
 
Macelo Jara Davalo em 08/06/2011 07:21:12
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions