ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  19    CAMPO GRANDE 17º

Economia

Preço de remédios vai aumentar ao menos 4,5% em abril

Na Capital, consumidores já estão sendo avisados sobre o reajuste

Por Izabela Cavalcanti e Idaicy Solano | 28/03/2024 13:38
Prateleiras com remédios em farmácia de Campo Grande (Foto: Marcos Maluf)
Prateleiras com remédios em farmácia de Campo Grande (Foto: Marcos Maluf)

A partir do dia 1° de abril, as farmácias estão autorizadas a aumentar o preço dos medicamentos. Em Campo Grande, os consumidores já estão sendo avisados sobre o reajuste e, com isso, terão que preparar o bolso.

Conforme explica a conselheira do CRF-MS (Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso do Sul), Marianne Marks, o aumento estabelecido pela Cmed (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos) é linear de 4,5%. O reajuste ocorre sempre no dia 31 de março de cada ano e é regulamentado pela Lei 10.742/2003, que estabelece as diretrizes.

“A alta de medicamentos ocorre anualmente. Então, todo ano a gente se prepara porque sempre tem atualização da lista. Tivemos uma pré-alta dupla, pois o IPCA subiu 0,83% em fevereiro”, explicou.

Ainda de acordo com Marianne, a orientação não é para que os consumidores façam estoque de qualquer tipo de remédio, e sim daqueles de uso contínuo.

“Quando falamos de pré-alta, claro que a gente não quer que a população faça o uso indevido de medicamentos ou faça estoque. A gente orienta que se tiver um uso contínuo dessa medicação, com prescrição médica, que faça compra pelo menos para o abastecimento adequado de acordo com a prescrição”, orientou.

O gerente de uma unidade da rede de farmácias Grupo Mais, Danilo Silva Moreira, explica que foi informado que o aumento pode chegar a até 10%. “Quando virar o mês, o nosso sistema já pega todo o banco de dados da indústria que vende os remédios”, disse.

Impacto – O administrador Vagner Alexandre Teixeira, de 49 anos, gastou R$ 350 para comprar remédio para garganta e ouvido do filho, que estão inflamados. Durante o atendimento, ele já foi avisado sobre o reajuste.

“Eu acho que não é o momento, está difícil a economia e nós estamos num momento um pouco de mudança climática, eu acho que tem muita doença acontecendo e fica difícil comprar. O farmacêutico falou assim: ‘vai ter reajuste', mas imagina para quanto vai? R$ 350 já é caro, isso vai para R$ 400, quer dizer, isso vai impactar no orçamento e nada de aumento salarial”, lamentou.

A aposentada Regina Centurião, de 71 anos, precisa gastar cerca de R$ 600 em remédios por mês.

Regina com sacola de remédios, atravessando a rua (Foto: Marcos Maluf)
Regina com sacola de remédios, atravessando a rua (Foto: Marcos Maluf)

"Eu uso remédio para pressão, diabetes e colesterol. Só que agora está normal, não precisei usar. Eu pego às vezes no posto, tem vezes que não tem e eu compro. Remédio para coluna, injeção, tudo eu compro, gasto uns R$ 500, R$ 600. Isso quando é pouca coisa, né?”, pontuou.

O cálculo é feito a partir do teto de preços com base no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), além de considerar também outros fatores. O reajuste ainda não foi publicado no Diário Oficial da União.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias