A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018

14/03/2013 18:06

Procon vai suspender e "promover" as empresas campeãs em queixas

Nícholas Vasconcelos e Helton Verão
Superintendente do Procon, Alexandre Rezende, disse que empresas criaram fundos para pagar multas. (Foto: Helton Verão)Superintendente do Procon, Alexandre Rezende, disse que empresas criaram fundos para pagar multas. (Foto: Helton Verão)

O Procon de Mato Grosso do Sul vai suspender o funcionamento de empresas líderes em reclamação. A novidade foi anunciada nesta quinta-feira (14) pelo superintendente do órgão no Estado, Alexandre Rezende, durante apresentação do balanço dos atendimentos.

As empresas que aparecem no ranking de reclamações do consumidor ficarão proibidas de atender, medida considerada extrema. Além de ficarem suspensa, as companhias terão os nomes anunciados em jornais, através da chamada publicidade negativa. O objetivo é que o consumidor fique sabendo e evite futuros problemas em contratos de bens e serviços.

Segundo Rezende, a atitude precisou ser tomada depois que se descobriu que as empresas estão criando fundos financeiros para suprir as multas provocadas por reclamações e irregularidades.

“Já que eles gastam milhões com publicidade e agora criaram um fundo pro Procon, nós vamos ter a publicidade negativa contra eles”, revelou Alexandre. O superintendente disse que as duas medidas devem ser tomadas nos próximos dias, mas informou quando e quais serão as empresas.

O balanço apresentado hoje apontou que em 2012 foram 40.050 atendimentos e 34.703 reclamações, das quais 86,65% foram resolvidas. Para este ano, a previsão é de que esses atendimentos subam 23%, passando para 48.499.

Também nos próximos meses as reclamações dos órgãos de defesa do consumidor do interior serão repassada para o Procon, na Capital. Atualmente, 15 cidades integram a rede de informações e até o fim do ano serão mais 10.

De acordo com o Procon, este ano serão ampliadas as parcerias com entidades, organizações e outros órgãos públicos.
Entre as que já existem, estão as firmadas para o pagamento do seguro DPVAT, MPE (Ministério Público Estadual), Defensoria Pública, Vigilância Sanitária, e os Conselhos Regionais de Educação Física, Economia e Corretores de Imóveis.

Nos próximos dias, uma campanha com a AMAS (Associação Sul-mato-grossense de Supermercados) vai incentivar que o consumidor fiscalize o vencimento de alimentos. Segundo Rezende, quem encontrar um produto poderá levar outro igual, sem pagar nada por ele.

Dólar fecha em queda, cotado a R$ 3,71, de olho no cenário eleitoral
O dólar fechou a sexta-feira (19) em queda com o mercado ainda acompanhando o cenário eleitoral. A moeda caiu 0,26%, vendida a R$ 3,7125. Na semana, ...
Preço da gasolina cai 2% nas refinarias a partir de amanhã
A Petrobras anunciou hoje (19), em sua página na internet, que o preço do litro da gasolina ficará 2% mais barato em média nas refinarias de todo o p...
Índice que reajusta aluguel acumula inflação de 10,88% em 12 meses
O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel, subiu 0,97% na segunda prévia de outubro. A taxa é inferior ao 1...


a primeira empresa que tem que tirar o escritório de dentro do PROCON é a ENERSUL.
a final o procom protege o consumidor ou a empresa????
 
Roberto Motta em 15/03/2013 10:30:03
como podera fechar a aguas, se fechar o atendimento é tudo que eles querem.
 
admir soares em 15/03/2013 08:32:04
quero ver se empresas do governo ou orgaos do governo tambem vao ser fechados, pois reclamaçoes e maus atendimento por partes de muitos orgaos sao imensos.
 
roberto karling em 15/03/2013 07:30:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions