ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 26º

Economia

Restaurante de posto que foi ponto de greve teve queda de 80% nas vendas

Mesmo reduzindo 40% o valor das marmitas, empresário não faturou o suficiente para pagar aluguel, funcionários e água e luz

Danielle Valentim | 31/05/2018 11:25
Dono dos dois pontos baixou 40% do valor das marmitas, que caiu de R$ 14,90 para R$ 10. (Foto: Marina Pacheco)
Dono dos dois pontos baixou 40% do valor das marmitas, que caiu de R$ 14,90 para R$ 10. (Foto: Marina Pacheco)

O movimento no restaurante e café do Posto Caravágio, maior ponto de concentração dos protestos dos caminhoneiros em Campo Grande, caiu 80% durante os dez dias de manifestações em Mato Grosso do Sul. Sem o faturamento de caixa necessário, o pagamento de funcionários, aluguel e água e luz serão desembolsados pelo patrão.

O empresário Renato Dall Agnol amargou prejuízo com o protesto, já que vive do transporte e mesmo tomando medidas não conseguiu alavancar as vendas. O dono dos dois pontos baixou 40% do valor das marmitas, que caiu de R$ 14,90 para R$ 10.

“Eu não tive o faturamento de caixa suficiente e vou ter que tirar do bolso, o pagamento dos meus funcionários, o aluguel, a água e a luz. Eu vivo do transporte e então perdi o consumo dos viajantes também, já que boa parte deixava de entrar no posto achando que o restaurante também estivesse fechado. Baixei o preço da marmita e até cozinhei para eles por dois dias, mas o movimento caiu”, disse.

"Nem em baixa temporada de viagens vi uma paradeira dessas", disse Késia. (Foto: Marina Pacheco)
"Nem em baixa temporada de viagens vi uma paradeira dessas", disse Késia. (Foto: Marina Pacheco)

A funcionária de Renato, a atendente Késia Barbosa da Silva, de 26 anos, toma conta do Café. Segundo ela, nem em baixa temporada de viagem o movimento é tão baixo. “Eu estou aqui há 2 anos e nunca tinha visto uma paradeira tão grande. No último sábado, foi o dia que mais entrou clientes, e olha que só entraram quatro pessoas”, disse.

Nesta quarta-feira (30), a greve dos caminhoneiros chegou ao 10º dia e perdeu a força nos três pontos localizados em Campo Grande. Os motoristas começaram a deixar os locais, culpando a população, questionando os anúncios feitos pelos Governos e criticando a desistência de colegas.

O único ponto de bloqueio que ainda tem concentração de motoristas parados é no Posto Caravágio, na BR-163, em Campo Grande. Nos postos Kátia Locatelli, também na BR-163, e Carga Pesada, na BR-262, os motoristas já movimentam as rodovias na volta ao trabalho. Apesar da desmobilização, há manifestantes que temem represálias em outros trechos de bloqueios espalhados pelo país.

No posto Kátia Locatelli e Caravágio, equipes do Exército, Polícia Militar e PRF (Polícia Rodoviária Federal) acompanham a saídas dos caminhões, de forma pacífica sem intervenções.

Nos siga no Google Notícias