A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

05/07/2017 13:20

Retomada de fábrica de MS pode detravar crise do gás e exportações

Acordo assinado pela Petrobras é nova esperança para destravar obra em Três Lagoas

Priscilla Peres
Obra foi parada com 82% concluído. (Foto: Perfil News/Arquivo)Obra foi parada com 82% concluído. (Foto: Perfil News/Arquivo)

Com obras paradas há mais de dois anos, a UFN 3 (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados), em Três Lagoas - distante 338 km de Campo Grande, volta ao cenário estadual como chave para destravar a crise do gás natural e aumentar consideravelmente as exportações.

Nesta semana a Petrobras assinou memorando com a estatal petrolífera chinesa CNPC (China National Petroleum Corporation), prevendo que as companhias podem avaliar oportunidades no Brasil e nos exterior, em áreas de interesse mútuo. Se as negociações caminharem bem, essa pode ser a solução para a fábrica de MS.

De acordo com o governo do Estado, a Petrobras ainda não informou à Bolívia quanto vai importar de gás a partir de 2019, quando o contrato atual terminar. A instabilidade aliada a redução no consumo por parte da estatal, derrubaram drasticamente a arrecadação do governo com ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o produto.

"Essa planta é fundamental para destravar a questão do gás, já que ela será abastecida por gás natural importado da Bolívia. E até o momento a Petrobras ainda não manifestou qual o volume vai operar a partir de 2019", afirma Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar.

Outra questão estratégia da UFN 3 é a produção de fertilizantes nitrogenados, produto com grande mercado interno e externo. Em setembro, a Bolívia inaugura sua fábrica de amônia já com 8% das exportações garantidas pelo Brasil, que importa mensalmente uréia nitrogenada.

O produto é justamente o que deve ser produzido pela UFN 3, em Três Lagoas. "A Bolívia aparece já como um concorrente no mercado, mas sua produção vai atender apenas 25% da demanda que temos para o produto. Ou seja, já passou da hora da fábrica entrar em operação", afirma o secretário Jaime.

Apesar do memorando vir de encontro ao que a estatal sempre disse, que buscava um parceiro da China para destravar a obra, ele não é garantia de que isso se dará efetivamente. "É uma luz amarela que acende. Pode dar certo se eles entrarem em um acordo, mas também pode não dar".

Recentemente a Justiça Federal de Três Lagoas liberou a Petrobras para negociar ou vender a fábrica, um passo importante para destravar a obra. Com 82% das obras concluídas, a fábrica está parada há dois anos e meio, desde que o contrato com o consórcio responsável pela construção foi rompido, em dezembro de 2014. Empresários da região esperam até hoje receber R$ 36 milhões em dívidas deixados pela empresa.

Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...
Prazo para regularizar débitos com fisco estadual vence na sexta-feira
Contribuintes que possuem débitos com o fisco estadual têm até sexta-feira (15) para aderirem ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) de Mato Gross...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions