ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 22º

Economia

Saúde, despesas pessoais e alimentação puxam IPCA em 0,36% na Capital

Houve aumento em seis setores pesquisados pelo IBGE; valor ficou 0,25 ponto percentual maior que o de março

Por Natália Olliver | 10/05/2024 11:49
Setor de alimentação está entre os maiores índices do IPCA em abril na Capital (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)
Setor de alimentação está entre os maiores índices do IPCA em abril na Capital (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)

Setor de saúde, despesas pessoais e alimentação puxaram o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) para a casa dos 0,36% no mês de abril. Em março, o valor foi de 11%, aumento de 0,25 ponto percentual em comparação entre os dois períodos. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O levantamento contempla nove grupos de produtos e serviços. Em seis deles houve aumento. Os que registraram maiores impactos no índice do mês foram despesas pessoais, com 97%, seguido de saúde e cuidados pessoais, 0,95%, e alimentação e bebidas, 0,53%.

No primeiro grupo, o destaque foi para a alta no subitem cartório 50,68%. A depilação (2,88%) e o serviço de higiene para animais (2,64%) ficam na sequência. As principais quedas vieram dos subitens de manicure (-1,43%), bicicleta (-1,43%) e cinema, teatro e concertos (-0,58%).

Quanto à saúde, a maior contribuição para aumento do índice é atribuído aos produtos farmacêuticos (3,43%). A justificativa é o reajuste de até 4,50% nos preços dos medicamentos, a partir de 31 de março. A maiores altas são de dermatológicos (6,67%), do analgésico e antitérmico (4,87%) e do hormonal (4,46%).

Apesar do aumento geral de 53%, no terceiro grupo: alimentação, a banana d’água, batata inglesa e feijão carioca apresentaram queda do preço, -17,60%, -9,46% e -6,19%, respectivamente. A alimentação fora de casa também manteve alta observada em abril, mas desacelerou de 0,20% para 0,11% em abril. O produto que mais apresentou diminuição do índice foi o lanche, caiu de 0,43% para 0,13%.

O setor de transportes também ajudou a puxar o IPCA em abril. Os combustíveis e conserto de automóvel levam o grupo Transportes ao aumento de 0,32%. Conforme o IBGE, o número foi influenciado pelo item combustíveis, que aumentou 0,57%, e teve influência direta dos subitens gasolina (0,46%) e do etanol (5,8%).

Também trouxeram o grupo para cima os subitens consertos de automóvel, que subiu 1,03%, e ônibus intermunicipais (4,01%).

Consumidora olhando roupa em loja da região central de Campo Grande (Foto: Arquivo\Marcos Maluf)
Consumidora olhando roupa em loja da região central de Campo Grande (Foto: Arquivo\Marcos Maluf)

Apesar do cenário e aproximação com as férias do meio do ano, as passagens aéreas tiveram queda de -5,37%. O valor da tarifa tem flutuação superior a outros subitens dentro do índice. Como referência, acumulam aumento de 41,53% no ano e queda de 14,96% em 12 meses.

Quedas - Os setores que mais apresentaram diminuição do índice foram a grupo de vestuário, -0,54%. Contribuíram para o resultado do mês os subgrupos roupas (-0,97%) e calçados e acessórios (-0,3%).

Artigos de residência tiveram variação mensal de 0,39% em abril. Os destaques nas quedas, vieram dos subitens ventiladores (-2,92%) e roupa de banho (-2,69%). O grupo Educação teve queda de 0,03%, com influência direta dos subitens livro didático (-1,38%) e de atividades físicas (-0,3%). Conforme o levantamento, o setor de habitação apresentou queda de 0,19%.

Quanto à inflação acumulada no ano, o valor se mantém em alta de 1,77%. Nos últimos 12 meses, o quantitativo foi de 3,76%, abaixo dos 4,32% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em abril de 2023, a variação foi de 0,89%. No Brasil, o índice de abril foi de 0,38% e no ano acumula alta de 1,80%.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias