ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 20º

Economia

Tabelamento do frete emperra venda do milho em Mato Grosso do Sul

Famasul aponta que 33,57% da produção no estado havia sido comercializada até a última segunda-feira

Ricardo Campos Jr. | 20/07/2018 10:02
Milho produzido na safra 2016/2017: MS avançou pouco na colheita deste ano em relação à passada (Foto: Aprosoja)
Milho produzido na safra 2016/2017: MS avançou pouco na colheita deste ano em relação à passada (Foto: Aprosoja)

O tabelamento no preço do frete é apontado pelos produtores rurais como um dos fatores que tem travado a venda do milho em plena colheita. A medida, que atende a uma reivindicação dos caminhoneiros, foi aprovada pelo Congresso, mas a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) ainda não definiu os valores e a tabela vigente é questionada na Justiça.

Boletim da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) aponta que 33,57% da produção no estado havia sido comercializada até a última segunda-feira (11). O avanço em relação ao mesmo período do ciclo 2016/2017 é de apenas seis pontos percentuais.

Enquanto isso, os preços estão “caminhando de lado”, segundo a entidade. Houve queda de 0,46% na cotação do grão entre os dias 10 e 17 de julho, fechando o período em média por R$ 26,88. Contudo, em relação ao ano passado, houve alta nominal (sem considerar as variações na economia) de 63,3%.

Na prática, os os valores se estagnaram nesse intervalo de tempo na maior parte dos municípios pesquisados. Em Caarapó, Dourados e Maracaju ele se manteve em R$ 28 até a última terça-feira, os maiores registrados até essa data.

Em Campo Grande houve queda de 1,89% na semana. Já em Ponta Porã, a saca de 60 quilos travou nos R$ 27 e em São Gabriel do Oeste e Chapadão do Sul o produto sai em média por R$ 26. Este último registrou a maior queda no acumulado do mês, em 3,70%.

Na contramão, Maracaju teve maior alta, com o milho valorizado em 5,6% em julho, seguido por Ponta Porã (3,85%), Dourados e Caarapó (ambas com alta de 3,70%).

Resultados - Produtores rurais de Mato Grosso do Sul já colheram 15,1% do 1,7 milhão de hectares de milho plantados no estado. Na última semana, os trabalhos avançaram em 121.622 hectares. Essa evolução é 2,5% superior à área processada nesse mesmo período no ciclo 2016/2017.

O boletim estima até o momento redução geral da área plantada em aproximadamente 8,21%, passando de 1,8 milhão para 1,7 de milhão de hectares. De igual modo houve queda de 29,31% em relação à expectativa do volume de produção de grãos (de 9,8 milhões de toneladas na safra 2016/2017 para 6,936 milhões de toneladas na safra 2017/2018).

A estiagem afetou seriamente as lavouras na região sul do estado, que podem ter até 40% de perdas na produção segundo a Famasul. Esse percentual leva em consideração todas as áreas semeadas no estado. Individualmente, alguns alguns produtores não conseguirão colher nada este ano.

Na região norte, as plantações não apresentaram problemas e a produtividade é estimada em torno de 90 a 100 sacas por hectare. Na região sul, a expectativa é de 60 a 70 sacas por hectare. Como essa área é mais expressiva nesse cultivo, deve refletir mais na produtividade total.

Nos siga no Google Notícias