ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  23    CAMPO GRANDE 26º

Economia

Último onda gelada limpou estoque e pouca roupa pesada sobrou para mais frio

Comerciantes reclamam que até venderiam mais se ainda tivessem estoque reforçado na Capital

Por Maurício Ribeiro | 28/07/2021 10:35
Meias grossas em vitrine no Centro de Campo Grande. (Foto: Kisie Ainoã)
Meias grossas em vitrine no Centro de Campo Grande. (Foto: Kisie Ainoã)

Entre os comerciantes, há quem não acredite que as baixas temperaturas aqueçam as vendas. “Por conta da última onda de frio, as pessoas buscaram bastante por cobertores e roupas de frio, por isso, agora, acredito que não haja nem reposição de estoque e nem aumento na procura. Os que procurarem, serão aqueles que não compraram na última onda", observa a vendedora Cristina Mainate, de 34 anos.

Mas o gerente comercial Mayson Ponce Emiliano, de 35 anos, vê sim na nova temporada de frio uma possibilidade de vender mais. O problema também é o estoque baixo. "Frio aqui é algo que passa muito rápido, é um período muito curto. Adoraria ter um estoque maior, acredito que venderíamos bastante nesta semana. A procura foi muito grande, mas agora só restam peças mais leves, para temperaturas mais amenas”, lamenta em tom de bom humor ao mostrar-se satisfeito com as vendas das últimas semanas.

Aposentada diz até acreditar na chegada do frio, mas não com tanta intensidade. (Foto: Kísie Ainoã)
Aposentada diz até acreditar na chegada do frio, mas não com tanta intensidade. (Foto: Kísie Ainoã)

Com nova frente fria e a possibilidade de temperaturas tão baixas, como há muito tempo não se vê por essas bandas, opiniões se dividem entre os que se mostram descrentes e os que se preparam para aquele que chegou a ser chamado de “o frio do século”.

Nas ruas do centro de Campo Grande, Dona Petronilia Garcete (65) caminhava tranquilamente no início desta semana. Quando perguntada sobre a assombrosa onda de frio, com cara de espanto, a aposentada foi categórica em afirmar não acreditar que chegue com tanta força por aqui. “Campo Grande é terra quente. Pode até esfriar, mas não com essa intensidade”, cravou ela.

Já a estudante Geovana de Oliveira (19) não duvida e se diz preparada para enfrentar a nova queda nas temperaturas. “Acredito sim que essa onda venha. Não comprei nenhum casaco pesado porque já tinha bastante coisa no armário mas, se vier, estarei preparada”, afirma a moça.

Como estoque diminuiu, vendedor diz que agora só restam roupas leves. (Foto: Kisie Ainoã)
Como estoque diminuiu, vendedor diz que agora só restam roupas leves. (Foto: Kisie Ainoã)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário