A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2019

13/03/2018 16:37

Valor movimentado pelo comércio de MS tem primeira queda em 18 anos

Receita com as vendas caiu 2,5% em janeiro na comparação com igual mês de 2018

Osvaldo Júnior
Comércio na região central de Campo Grande (Foto: Saul Schramm)Comércio na região central de Campo Grande (Foto: Saul Schramm)

Janeiro foi um mês difícil no fechamento de caixa do comércio varejista de Mato Grosso do Sul. Na comparação com igual período do ano passado, a receita com as vendas caíram 2,5%. É o primeiro resultado negativo para esse mês em 18 anos.

Os números foram divulgados nesta terça-feira (13) pelo IBGE ( Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Pelo histórico da pesquisa, a menor variação para o período havia sido o de janeiro de 2016 (2%). No mesmo comparativo, o maior avanço da receita com as vendas do comércio sul-mato-grossense foi verificado em 2012 (23,6%).

A queda no valor movimentado pelos lojistas decorre de queda de 3,5% no volume de vendas na comparação entre janeiro deste ano e mesmo mês de 2017. Essa retração não é a maior da série histórica, iniciada em 2000. Janeiro de 2003 (-11,4%) e de 2016 (-8,1%) contabilizaram reduções ainda mais acentuadas.

Além de venderem menos, os comerciantes também sofreram com inflação em baixo patamar. A combinação desses dois fatores derrubou a receita com das vendas.

No acumulado de 12 meses, findados em janeiro, o volume e a receita com as vendas ficaram, praticamente, estagnadas em Mato Grosso do Sul. As variações respectivas foram de 0,3% e de 0,1%.

A situação é menos crítica no chamado comércio varejista ampliado, que inclui, segundo a pesquisa do IBGE, além do varejo, as atividades de veículos, motos, partes e peças e material de construção. Em janeiro sobre o mesmo mês de 2017, o volume de vendas teve leve crescimento de 0,7% e a receita avançou 1%.

Dólar sobe pelo 4º dia seguido e fecha cotado a R$ 3,75
O dólar comercial fechou a sexta-feira (18) em alta de 0,22%, cotado a R$ 3,756 para venda. Este é o 4º avanço consecutivo e o maior valor de fechame...
Seguro-desemprego é reajustado em 3,43% e parcela máxima chega R$ 1.735,29
O empregado demitido sem justa causa terá o seguro-desemprego corrigido em 3,43%, correspondente à inflação do Índice Nacional de Preços ao Consumido...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions