ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  20    CAMPO GRANDE 32º

Esportes

Com "rachadinha", esquema em Federação desviou R$ 90 mil só de uniformes

Conforme o MP, a Invictus Sports recebeu mais de R$ 750 mil da FFMS e devolveu R$ 90 mil, entre 2018 e 2022

Por Jhefferson Gamarra e Aline dos Santos | 22/05/2024 16:01
Agente do Gaeco na loja de uniformes esportivos em Dourados (Foto: Leandro Holsbach)
Agente do Gaeco na loja de uniformes esportivos em Dourados (Foto: Leandro Holsbach)

A denúncia do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), que levou a prisão do presidente da FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul) Francisco Cezário de Oliveira, de 77 anos, apontou um suposto esquema de “rachadinha” entre a federação e a fornecedora de uniformes Invictus Sports, financiado com verbas públicas.

O Gaeco fundamentou os pedidos de prisão do “mandachuva” do futebol sul-mato-grossense e outras 6 pessoas ligadas a federação em vasta documentação obtida por meio de interceptações telefônicas e quebras de sigilo bancário, autorizadas pela Justiça e mantidas em sigilo por razões evidentes. As investigações abrangem dados desde 2018, com monitoramentos realizados até 2023, revelando depósitos suspeitos nas contas dos investigados.

Trecho da denúncia destaca que a Invictus Sports, fornecedora de uniformes das principais equipes de MS, de propriedade formal de Patrícia Gomes de Araújo, mas controlada de fato por Marco Antônio de Araújo (Marcão), recebeu mais de R$ 750.000,00 da FFMS entre 2018 e 2022. Durante o mesmo período, a empresa transferiu mais de R$ 90.000,00 para a conta do delegado de jogos da federação, Aparecido Alves Pereira, o Cido, evidenciando o esquema de desvio de recursos.

Em uma conversa registrada em 9 de fevereiro de 2023, Rudson Bogarim Barbosa, gerente de T.I da FFMS, informa a Cido sobre a chegada de fundos pagos pelo Governo do Estado em forma de fomento. Na conversa, Cido menciona que Umberto Alves Pereira, o “Betão” planejava pagar "Marcão", proprietário do Invictus Sports, imediatamente, com um montante de R$ 165.000,00.

No dia seguinte à conversa, a Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul transferiu R$ 194.500,00 para a Invictus Sports em duas transações, uma de R$ 165.000,00 e outra de R$ 27.500,00, exatamente conforme acertado na conversa interceptada entre Aparecido e Rudson.

A quebra de sigilo bancário corroborou essas transações, revelando que em 9 de fevereiro de 2023, o Governo do Estado transferiu R$ 1.014.490,00 para a FFMS, que no dia seguinte repassou R$ 194.500,00 para a Invictus Sports.

Equipes do Gaeco cumpriram mandado de busca e apreensão na unidade Invictus Camisetas que tem sede em Dourados, a 251 km de Campo Grande. O empresário Marco Antônio de Araújo, o Marcão, também é presidente do DAC (Dourados Atlético Clube), atual vice-campeão estadual da 1ª divisão do futebol sul-mato-grossense, acompanhou as buscas e teve o celular e documentos apreendidos.

Em nota, a empresa de confecção de uniformes informou ser prestadora de serviços da Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul e que tem nota fiscal do material fornecido e dos pagamentos recebidos em conta corrente. Marcão informou que acompanhou o trabalho do Gaeco, forneceu todas as informações solicitadas e que “confia no trabalho desempenhado pela Justiça de Mato Grosso do Sul”.

Conforme as investigações do Gaeco Aparecido Alves Pereira (Cido), Francisco Cezário de Oliveira, Francisco Carlos Pereira, Marcelo Mitsuo Elzoe Pereira, Umberto Alves Pereira, Valdir Alves Pereira e Rudson Bogarim Barbosa, todos presos preventivamente,  formavam a organização criminosa dedicada ao peculato, lavagem de dinheiro, falsidade e outros delitos correlatos, utilizando a FFMS para desviar dinheiro público. A quebra do sigilo bancário dos envolvidos revelou que o desvio de verbas ocorria de forma sistemática desde pelo menos 2018, possivelmente até o presente momento.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também