ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 35º

Esportes

Confederação quer colocar Capital no “grande centro” do jiu-jitsu

Brasileiro Centro-Oeste reuniu quase 800 lutadores durante o domingo em Campo Grande

Gabriel Neris e Bruna Kaspary | 26/08/2018 19:40
Lutas eram realizadas de forma simultânea no ginásio do Sindicato dos Bancários (Foto: Bruna Kaspary)
Lutas eram realizadas de forma simultânea no ginásio do Sindicato dos Bancários (Foto: Bruna Kaspary)

Campo Grande recebeu neste domingo (26), data em que comemora 119 anos de aniversário, o Campeonato Brasileiro Centro-Oeste de jiu-jitsu. A competição foi realizada com o objetivo de colocar a cidade no “grande centro” da arte marcial.

A afirmação é de Carlão Barreto, diretor da Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Desportivo. O torneio recebeu 791 atletas – sendo dois terços crianças e adolescentes – de 40 academias de Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Mato Grosso, Paraguai e Bolívia. Foram até oito lutas realizadas de forma simultânea no Sindicato dos Bancários, no bairro Coopharádio.

Segundo Barreto, a parceria com a Federação Estadual da modalidade foi com o intuito de fomentar o esporte e facilitar financeiramente para os atletas competirem competições nacionais. Segundo ele, Campo Grande será anualmente sede do torneio. “A gente vislumbra Campo Grande como futuro, grande centro do esporte”, disse.

Conforme o presidente da Federação Estadual, Fábio Rocha, este é o maior evento da região Centro-Oeste e “ajuda no ranking. Quanto maior ranqueado maior a possibilidade de o atleta conseguir uma bolsa”, diz. Segundo ele, as competições costumam ser realizadas no Rio de Janeiro, São Paulo e Florianópolis, com o custo acima da possibilidade destes lutadores disputarem. Segundo Rocha, cerca de 5 mil pessoas acompanharam os combates durante todo o dia.

Entre os participantes estava Breno Vidal, de 31 anos. Ele foi campeão da luta casada categoria faixa preta até 80 kg. “Esse evento é um passo muito grande para o esporte porque deixa de fazer um evento amador para ser profissional”, destaca.

O lutador também destaca a participação de atletas estrangeiros. “O jiu-jitsu não é tão valorizado no Brasil, mas fora valorizam bastante”, afirma.

Nos siga no Google Notícias