ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 19º

Esportes

Hamilton vence GP da Estíria, mas liderança do mundial ainda é de Bottas

Campeão da Mercedez comemorou vitória em Spielberg, na Áustria, de punho cerrado em protesto contra o racismo

Por Izabela Sanchez | 12/07/2020 12:08
Punho cerrado do campeão do GP deste domingo, Lewis Hamilton. O símbolo é um protesto contra o racismo (Foto: Revista Quatro Rodas/AFP)
Punho cerrado do campeão do GP deste domingo, Lewis Hamilton. O símbolo é um protesto contra o racismo (Foto: Revista Quatro Rodas/AFP)

O piloto Lewis Hamilton venceu o GP da Estíria de Fórmula 1 garantindo 25 pontos na corrida em Spielperg, na Austrália, neste domingo (12). Para comemorar a vitória, o piloto negro - que estava de máscara preta e cabelos trançados - ergueu o punho fechado em protesto contra o racismo.

A dobradinha rumo ao mundial é da Mercedez, já que a vitória do piloto inglês não tirou a liderança do finlandês Valtteri Bottas, que ultrapassou Max Verstappen, fez 18 pontos e garantiu o segundo lugar no Grande Prêmio deste domingo.

Bottas já soma 45 pontos, liderança para o mundial de Fórmula 1 para a Mercedez. Atrás, Hamilton soma 37 pontos e até agora está em segundo lugar no mundial. A próxima corrida da Fórmula 1 é na semana que vem na pista de Hungaroring, GP da Hungria.

Protesto – Conforme cita a revista Quatro Rodas, o punho cerrado do campeão britânico lembra o da equipe americana de atletismo nos Jogos Olímpicos de 1968. Naquele ano, Tommie Smith e John Carlos levantaram o punho cerrado com as medalhas de ouro e de bronze nos 200 m rasos.

À época da ação, os Estados Unidos efervesciam com os movimentos sociais ligados à luta por direitos civis para a população negra do país, que cobra igualdade e reparação histórica pelos anos de escravidão. O gesto do punho cerrado ficou famoso pelos integrantes do “Panteras Negras”, grupo ativista que chegou a ser perseguido pelo governo dos Estados Unidos.