A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


02/06/2016 06:00

Coffee Break dá "aval" a discurso de vítima de prefeito

Waldemar Gonçalves

Pouco caso – Até dia desses, ele estava na Governadoria atrás de dinheiro para ajudar em projetos na cidade, mas, ontem, o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), fez pouco caso do papel do Governo do Estado na gestão pública. Durante evento com representantes de várias cidades, disse que o Executivo estadual seria um mero intermediário. “Devia existir apenas o governo federal e os municípios, afinal, tudo acontece nos municípios”, discursou. Para Bernal, seria mais fácil se a gestão fosse simplificada, sem o governo estadual.

IPTU bombando – No mesmo evento, no Hotel Jandaia, o secretário de Finanças e Controle, Disney Fernandes, destacou que Campo Grande tem uma posição privilegiada na arrecadação de IPTU. Ainda assim, o dinheiro que entra corresponde, segundo ele, a apenas 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) da cidade, que neste ano já arrecadou mais de R$ 230 milhões.

Vítima repetitiva – Seu mandato está perto de terminar, mas Bernal não vira o disco. Aproveitou a agenda pública para repetir seu discurso de vítima. Falando da Coffee Break, disse que 24 gestores “roubaram” o município e foram denunciados à Justiça. “São vereadores que deixaram o interesse público para agir por interesses mesquinhos, escusos e marginais”, num período, segundo ele, em que Campo Grande andou para trás.

Inocentes – Por outro lado, vereadores denunciados pela Coffee Break dizem ter a consciência tranquila. Entre eles, João Rocha (PSDB) lembra que possui uma academia de judô; Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), teve “bons lucros” com a “marretagem” de automóveis; Edson Shimabukuro (PTB) lembrou que além dos R$ 11 mil líquidos que recebe da Câmara, recebe R$ 10 mil por cargo que ocupa no CREA e, em nota, Eduardo Romero (Rede) ressaltou ser “transparente e responsável”.

Alma lavada – “O tempo é o senhor da razão”, acrescentou Bernal sobre os vereadores denunciados, suspeitos de compor esquema que culminou em sua cassação, em 2014. Questionado se isso fortalece uma possível reeleição, desconversou: “É óbvio que o PP pretende ter candidatura majoritária, mas não queremos interferência negativa na gestão do município. Sei que já existem pré-candidatos buscando vice, mas não é meu caso. Vamos deixar para o momento certo”.

Nossa Lava Jato – Bernal ainda compara a Coffee Break à operação Lava Jato. Porém, segundo ele, o prejuízo em Campo Grande foi proporcionalmente maior que o sofrido pela União com desvios na Petrobras. “Aqui gira em torno de 30% do nosso orçamento. É muita coisa, é muito grave”, avalia, citando a dificuldade em administrar uma cidade frente aos obstáculos impostos pelo Legislativo.

Aliens petistas – “Confesso que estou assustado com o cinismo dos aliados do governo anterior”, declarou o senador WaldemirMoka (PMDB-MS) na tribuna do Senado, ontem. Segundo ele, a postura do PT e aliados é de quem nunca governou o Brasil. “Parece que petistas e aliados desceram de uma espaçonave, chegando a este planeta pela primeira vez, vindos de outro plano”, cutucou.

Ideologia – Na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Zé Teixeira (DEM) comparou a gestão federal do PT à de governantes de outros tempos, citando que acompanhou Jânio quadros, João Goulart e a ditadura militar, por exemplo. Comentou, inclusive, que ajudou o PT em Mato Grosso do Sul, apresentando projetos para o setor produtivo durante a gestão de José Orcírio, o Zeca do PT. Tudo isto para dizer que os petistas não podem “colocar ideologia à frente do Poder Público”.

Não é só o PT – Rebatendo o colega, Cabo Almi (PT) disse que o atual DEM vem do antigo PFL, que teve políticos questionados sobre suas ações, a exemplo de Antônio Carlos Magalhães, José Agripino Maia e Demostenes Torres. “Eles também tiveram suas denúncias, não é só o PT”.

Pelo PPS – Secretário estadual de Cultura, Empreendedorismo e Inovação, Athayde Nery formalizou ontem pedido de afastamento do cargo para concorrer à Prefeitura de Campo Grande pelo PPS. Ele vislumbra uma campanha diferenciada após período com vários escândalos na política. “A população está muito mais atenta e informada e isto vai exigir uma nova postura dos candidatos, tanto em relação aos gastos de campanha como as propostas que vão ser apresentadas, a sociedade não vai mais admitir as campanhas milionárias que alimentam a corrupção”.

(com a redação)

Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...
O entrave no cadastro de pedófilos
Entrave burocrático – Autor do projeto de lei que criou o cadastro de pedófilos em Mato Grosso do Sul, o ex-deputado estadual Carlos Alberto David, d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions