A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


28/06/2016 06:00

Com menos dinheiro, eleições devem ter mais corpo a corpo

Waldemar Gonçalves

Prévias – Durante a primeira reunião do Comitê de Combate ao Caixa 2 nas eleições, ontem na sede da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil - seccional Mato Grosso do Sul), uma das alternativas debatidas foi a criação das “prévias”, a exemplo das eleições americanas, como se fosse uma eleição antes da eleição. “Seria uma forma de filtrar os candidatos trazidos ao eleitor”, ponderou Lairson Palermo, representando o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral.

Caindo na real – Mas, enquanto isso não acontece, o advogado defende que a fiscalização ocorra durante a campanha, com a atenção voltada a doações, especialmente das empresas aos partidos e candidatos que, pela nova legislação, estão proibidas. “A crise hoje não é apenas política, é moral”, disse Palermo. Para tanto, a OAB-MS terá canais de denúncia por telefone, internet e também pessoalmente.

Corpo a corpo – Já a presidente do comitê da OAB-MS, Cláudia Elaine Paniago, avalia que a nova legislação vai aproximar o candidato do eleitor, com ênfase no chamado “corpo a corpo”. “O candidato terá que conversar mais e estar próximo das pessoas, sem tanto dinheiro para campanhas midiáticas”, avalia a advogada. Se vai funcionar, ela responde: “isso é o que vamos descobrir agora”.

Vaca no brejo – O PT é um dos partidos que pretendem ficar atentos às doações, fiscalizando os demais e esquecendo as “gordas” contribuições que recebia nos pleitos anteriores. Questionado se as próximas eleições serão de “vacas magras”, o presidente do diretório estadual, Antônio Carlos Biffi, fez piada: “nas próximas eleições nem vaca vai ter”, disse à reportagem durante evento do diretório estadual.

Moral baixo – Já o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT-MS) diz estar cauteloso quanto à ideia de se lançar candidato a prefeito de Campo Grande. A maior preocupação é com o moral baixo da classe política. Hoje em dia as pessoas costumam colocar "todo mundo no mesmo saco", diz ele, se referindo a quem já desacredita dos políticos, afirmando que "todo político é igual".

Família e pesquisas – Outro obstáculo do parlamentar pedetista está na família. Segundo ele, o desejo dos familiares é que ele continue na Câmara dos Deputados. Oficialmente, Dagoberto aguarda pesquisas internas para decidir seu futuro político, tendo a ex-vereadora Tereza Name como uma concorrente interna.

Novo round – A sessão da Câmara Municipal hoje promete novos e ferrenhos ataques ao prefeito, Alcides Bernal (PP). Vereadores devem votar a LDO 2017 e já adiantaram ao Campo Grande News algumas inconsistências no projeto do Executivo, como redução no investimento em saúde, centralização de recursos no gabinete do prefeito e falta de previsão nos gastos com funcionários.

Sonho de vereadores – Há meses parado, o Codecon (Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico) repele empresas que poderiam investir na Capital. Em tribuna, o vereador Edil Albuquerque (PTB) apontou que seis vereadores, “novatos” na Câmara Municipal, “nunca tiveram a oportunidade de apreciar um projeto do Codecon”, já que este ano nada foi aprovado.

Mais leitura – Assessora de comunicação do prefeito Alcides Bernal (PP) reclama no Facebook que os vereadores não sabem ler e interpretar os projetos de lei enviados pelo Executivo. Ela reproduziu post do vereador José Eduardo Cury (SD) com os dizeres "João se sente mulher e hoje usará o mesmo banheiro que sua filha". E rebateu com a cópia do referido PL 8304. "Esta é a pior Câmara de todos os tempos em Campo Grande. Mas, quando achamos que não poderia ser pior, eles conseguem piorar".

Quase pronto, nem tanto – A Prefeitura garante que já estão sendo pintadas casas para as famílias retiradas da favela Cidade de Deus e que um evento simbólico deve colocar fim à polêmica marcada por atrasos e falta de materiais no bairro Vespasiano Martins. Porém, nos outros três locais para onde as famílias foram levadas ainda não há previsão exata quanto à chegada de materiais para que os moradores comecem, finalmente, a construir suas casas em mutirão.

(com a redação)

2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions