A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


04/02/2016 06:00

Deputado de MS questiona 'erotização' em livros didáticos

Waldemar Gonçalves
Paulo Corrêa (o primeiro, à direita) ao lado do governador Reinaldo Azambuja, e já sem bigode (Foto: Marcos Ermínio)Paulo Corrêa (o primeiro, à direita) ao lado do governador Reinaldo Azambuja, e já sem bigode (Foto: Marcos Ermínio)

Erotização – Em discurso na Câmara dos Deputados, ontem, o deputado federal Elizeu Dionízio (PSDB/MS) cobrou que o Ministério da Educação reveja conteúdo de livros do Programa Nacional do Livro Didático 2016. Principalmente os que tratam da questão de gênero. Segundo ele, o material possibilitaria a erotização prematura de crianças com idades entre 6 e 10 anos.

Carga forte – Na visão do parlamentar, trata-se de uma “carga ideológica forte de que é comum famílias de gays e lésbicas, com adoção de filhos”. “Vão ser ‘ensinados’ sobre a bigamia, poligamia, bissexualismo e transexualismo”, emenda. O entendimento de Dionízio é que este tipo de material didático fere a Constituição, no que se refere à definir como base da sociedade a família formada pelo casamento entre um homem e uma mulher.

Dois pesos, duas medidas – Um dos poucos defensores do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), o deputado federal Carlos Marun (PMDB) discorda que sua intervenção tenha sido mera tentativa de dar mais tempo ao aliado. Vale-se do argumento de que age dentro do regimento interno da casa. Além disso, diz considerar estranho que seja cobrada pressa no processo contra Cunha, não acontecendo o mesmo em relação ao pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

Legalidade – Marun diz que não defende Cunha, mas sim a legalidade. Voltou a comentar que não põe a mão no fogo pelo presidente da Câmara dos Deputados por alegar que não o conhece suficientemente. Agindo com tanta vontade no Conselho de Ética, imagine se o conhecesse.

Punição – Para Marun, a omissão de Cunha sobre contas pessoais no exterior durante depoimento na CPI da Petrobras não sustenta cassação de mandato. O deputado sul-mato-grossense admite afastamento do cargo de presidente e até mesmo suspensão do mandato, que já seriam punições graves, na opinião dele.

Sem bigode – O deputado estadual Paulo Corrêa (PR) rendeu-se a pedidos da mulher, Adriana, e desfez relação com um companheiro de mais de 30 anos: o bigode. O novo visual, sem a marca registrada de tantos anos, chamou a atenção durante a volta aos trabalhos na Assembleia Legislativa, nesta semana.

Não é o único – Corrêa não é o primeiro a abolir o bigode. Outros políticos, como o atual presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, João Rocha (PSDB), e o ex-deputado estadual Jerson Domingos, atualmente conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), também têm histórico de aparar bigodes mantidos por décadas.

Mau exemplo – A assessoria de imprensa da Prefeitura de Campo Grande não gostou da opinião de vizinhos sobre o prédio da Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) retratada em reportagem. Moradores próximos ouvidos pelo Campo Grande News classificaram como mau exemplo o pátio do órgão, onde há carcaças de veículos e material de construção aparentemente abandonados, potenciais criadouros do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Segundo a assessoria, “o local está monitorado para que seja evitada a proliferação do Aedes aegypti”.

Nota retorno – O mesmo setor da Prefeitura também reclama que “não nos foi requisitada uma nota retorno a respeito do assunto”. 'Nota retorno' é o termo técnico para um pedido de informações por parte de veículos de imprensa à assessoria de comunicação da Prefeitura, caso algum representante do município não tenha sido procurado para falar de determinado assunto. Ocorre que, no caso em questão, o problema é visível além dos alambrados da sede da Seintrha, onde a reportagem tentou ontem pela manhã falar com o chefe da pasta, Amilton Cândido de Oliveira, que não atendeu a equipe, conforme informa texto da jornalista Natalia Yahn.

Na comissão – O deputado estadual Lídio Lopes (PEN) resolveu fazer parte do bloco dos tucanos, na Assembleia Legislativa, porque eles ofereceram uma vaga na principal comissão da casa, a CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação). Lídio já fazia parte desta comissão e não gostaria de ficar fora do colegiado neste ano.

(com a redação)

Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...
O entrave no cadastro de pedófilos
Entrave burocrático – Autor do projeto de lei que criou o cadastro de pedófilos em Mato Grosso do Sul, o ex-deputado estadual Carlos Alberto David, d...
Assembleia agora tem 8 "independentes"
Mais uma – Depois de votar com o governo por três anos e meio, a deputada estadual Grazielle Machado(PSD) anunciou que agora será “independente”, ass...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions