A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 24 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


17/07/2014 06:00

Funcionário compra papel higiênico na Prefeitura

Edivaldo Bitencourt

Sem papel - A falta de dinheiro voltou a comprometer as compras do município. Funcionários do Paço Municipal, onde fica o gabinete do prefeito Gilmar Olarte (PP), estão sendo obrigados a comprar papel higiênico para abastecer os banheiros do local. Um número significativo de servidores está revoltado com o constrangimento.

Exemplo do Bernal – A situação repete um pouco o espírito do antecessor, Alcides Bernal (PP). No entanto, a falta de sabonete e papel higiênico atingiu, principalmente, os centros de educação infantil e escola na época.

Novo – Mato Grosso do Sul passará a ter novo governador a partir de segunda-feira. Com a viagem de André Puccinelli aos Estados Unidos e com a vice-governadora, Simone Tebet, proibida de assumir por causa da candidatura ao Senado, Jerson Domingos (PMDB) assume o posto por 15 dias.

Morna – A campanha eleitoral ainda não esquentou a economia em Mato Grosso do Sul. A maior parte dos candidatos ainda nem formou a equipe de comunicação e de cabos eleitorais. Ao contrário de outros anos, quando as contratações começam em março, neste ano, os candidatos só devem começar a desembolsar, de fato, a partir do próximo mês.

Menos dinheiro – Alguns especialistas e candidatos avaliam que a campanha deste ano pode ficar mais barata do que o previsto. Até os comitês só vão ser inaugurados na próxima semana, quase 20 dias após o início oficial da propaganda eleitoral.

Outro problema – Também há candidato reclamando da dificuldade em encontrar imóvel para alugar apenas por três meses. Imobiliárias só tem aceitado fazer negócio com candidato se o contrato for firmado por um ano.

Mau exemplo – Os vereadores de Campo Grande já estão em ritmo de eleição. Ontem, com vários projetos importantes na pauta, a maior parte não compareceu à sessão e nenhum foi votado por falta de quórum.

Desenvolvimento e social – A Cidade do Ônibus, que prevê investimento de R$ 75 milhões, é um dos projetos que precisam ser aprovados pelos vereadores. Três entidades, que prestam assistência aos mais pobres, também podem fechar as portas se a Câmara não autorizar a suplementação de recursos por parte da Prefeitura.

Sem procuração – O representante da Globaltsak, que deve vencer a licitação para instalar câmeras de vigilância no Centro, não assinou a ata da abertura das propostas. Apesar de ser presidente da companhia, Demétrio Elias Eleftherion, não assinou a ata porque não tinha a procuração para representar a empresa no dia.

Legal – O procurador geral do Município, Fábio Castro Leandro, informou que não há irregularidade na ausência de representante da empresa na ata de conclusão do certame. O mais importante, segundo ele, é que a empresa tenha enviado a proposta e atendido os requisitos do edital.

(colaboraram Aline dos Santos, Lidiane Kober, Kleber Claujus e Ludyney Moura)

Gaeco tem suspeita de vazamento
Desconfiança – O Gaeco (Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado), responsável pela investigação que aponta envolvimento de policiais militare...
DEM e a disputa entre André e Reinaldo
Já escolhi - Sobre a declaração de Puccinelli que estaria "namorando" o DEM, o deputado Zé Teixeira fez brincadeira para dizer de qual lado da disput...
Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions