ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SEXTA  05    CAMPO GRANDE 21º

Jogo Aberto

Justiça fará nova tentativa de notificar ex-vereador sobre ação

Por Ângela Kempfer | 15/01/2021 06:00
Vista da chácara que pertence ao  suplente de vereador Ademir Santana Delmondes, que foi alvo da 4ª fase da Omertà. (Foto: Marcos Maluf)
Vista da chácara que pertence ao  suplente de vereador Ademir Santana Delmondes, que foi alvo da 4ª fase da Omertà. (Foto: Marcos Maluf)


Achamos -   Em petição protocolada na ação que corre na 1ª Vara Criminal em Campo Grande, derivada da 4ª fase Operação Omertá,  o Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) informa novo endereço do suplente de vereador em Campo Grande Ademir Santana Delmondes (PSDB). Por duas vezes, ele foi procurado na casa da ex-esposa, no Jardim Bonança, para ser notificado a responder as acusações, e ela informou não saber onde o réu está.

Mudou – O "novo" endereço informado pelo Gaeco fica no Bairro Caiobá, onde o ex-vereador tem uma chácara. O lugar foi alvo de buscas na operação "Snow Ball", quando foram cumpridos mandados contra investigados de fazer parte de organização especializada em agiotagem e extorsão.

 Tentativa – Agora com o endereço correto do réu, o oficial de justiça vai levar o mandado de citação da denúncia até a casa de Ademir. Depois de receber, ele terá 10 dias para apresentar a defesa prévia na ação.

Negativo – Parecer da procuradora Sara Francisco apresentado à 2ª Vara Criminal na volta do recesso do Judiciário é contrário a pedidos do policial federal Everaldo Monteiro de Assis, preso na 1ª etapa da Omertà. No habeas corpus, o pedido é para anular a ação criminal e, como consequência, colocar “Jabá”, como é chamado, em liberdade.

Tempo – O policial afastado está preso desde setembro de 2019. É acusado de montar serviço de informações sigilosas para abastecer milícia armada acusada de execuções em Campo Grande. Agora, o hc aguarda a decisão dos desembargadores.

Difícil de falar – O secretário de Saúde de Campo Grande, José Mauro Pinto, tem sido uma das autoridades mais complicadas de se fazer contato sobre a pandemia de covid-19. Ontem, por exemplo, quando saíram diversas informações sobre o plano nacional de imunização, não foi possível conversar com ele sobre o tema, para dirimir dúvidas da população.

Eclético – No pacote de leis sancionadas pelo prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD) nesta quinta-feira (14), há assuntos variados. As novas leis vão de autorização para comprar vacina contra a covid-19 à mudança de nome de rua.

Homenagens - Uma das leis reconhece as provas equestres como Patrimônio Histórico e Cultural do Município. Outra medida aprovada institui 1º de setembro como o dia policial feminina na cidade.

Dinheiro curto – A nota de 200 reais “flopou”, no jargão da internet usado para falar de fracassos. O BC (Banco Central) colocou em circulação apenas 12,7% do total previsto para 2020. São R$ 11,4 bilhões do total de R$ 90 bilhões em notas fabricadas com o lobo-guará.

App derrubou - "Talvez a medida tenha sido acertada, mas houve erro no cálculo. Na pandemia, embora tenha crescido a demanda por papel-moeda, aumentou muito o uso de aplicativos e de transações digitais", analisa o economista da Fundação Getúlio Vargas, Mauro Rochlin.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário