ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 21º

Jogo Aberto

Mais uma sindicalista ganha cargo de Bernal

Por Edivaldo Bitencourt | 15/02/2014 07:00

Sindicalista – Aliada de primeira hora, a sindicalista Maria das Dores Rocha é mais uma líder contemplada pelo prefeito Alcides Bernal (PP). Ela foi nomeado com cargo na Secretaria de Governo, com direito a receber bonificação de 100% sobre o salário.

Presente – Maria das Dores foi contemplada após fazer oposição a Marcos Tabosa, atual presidente do Sindicato dos Servidores Municipais. Ela só não conseguiu tira-lo do cargo, mas manteve posição firme a favor do prefeito nos embates do sindicato.

Pioneiro – A Secretaria de Governo já abriga um outro sindicalista favorável à Bernal. Abílio Borges também ganhou emprego na pasta após liderar os atos a favor de Bernal durante o processo que tentou cassar-lhe o mandato na Câmara Municipal.

Outra – A Agência Municipal de Transporte e Trânsito é outra que tem um sindicalista defensor ardoroso do prefeito. Lúcio Maciel, do Sindicato dos Radialistas, tem cargo de confiança na pasta desde a época em que a presidente era Kátia Castilho.

Mistério – O governador André Puccinelli (PMDB) foi sozinho ao encontro do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, na noite de quinta-feira. A conversa, que pode mudar os rumos da política no Estado, não teve testemunhas.

Mistério 2 – Ontem, o governador ficou calado e evitou a imprensa para falar sobre a reunião na noite anterior. O Campo Grande News fez plantão na Governadoria, mas o chefe do Executivo limitou-se a dar tchauzinho e não deu declarações.

Cálculo – O vereador Eduardo Romero (PTdoB) fez os cálculos sobre o impacto da isenção do Imposto sobre Serviços na tarifa do transporte coletivo. Ele chegou a conclusão que o valor deveria ser de R$ 2,62 e não R$ 2,70, como foi definido pelo prefeito Alcides Bernal.

Otimista – Apesar da polêmica em torno do reajuste abusivo do IPTU, o secretário de Receita, Disney Souza, está otimista com a arrecadação do tributo. Ele prevê aumento de 9% em relação aos últimos dois anos. O estranho é que a comparação não foi feita em relação a 2013.

Com documento – A secretária municipal da Mulher, Jaqueline Hidelbrand, rebateu a suspeita de que dirigia sem portar os documentos obrigatórios. Por meio da assessoria de imprensa, ela informou que a carteira de motorista e o documento estavam no porta-luvas do veiculo. Jaqueline saiu dirigindo após ser barrada na Câmara por não ter documentos.

Perigoso – Jaqueline pode ter cometido, apenas, uma imprudência. Deixar os documentos no veículo não é uma medida recomendada pela polícia, porque facilita a ação dos bandidos.

(colaborou Kleber Clajus)

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário