A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


09/02/2011 06:00

Déjà vu

Jogo Aberto

Depois da apresentação da banda Sossega Leão, ontem, no lançamento do projeto Arte e Cores no Paço de fevereiro, o prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad, fez graça com a polêmica da Lei do Silêncio, que estava sendo votada na Câmara. “Daqui a pouco, não vai mais poder tocar bandinha e nem falar alto”, disse.

Nelsinho disse ontem que só receberá a planilha sobre a tarifa de ônibus feita pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) na segunda quinzena deste mês. Somente então será possível definir o novo valor do passe.

A disputa continua. Após o governador André Puccinelli (PMDB) afirmar que está pronto para “derrotar” o arquirival Zeca do PT na disputa para o Senado em 2014, o ex-governador petista respondeu pelo Twitter. “Faço questão de reafirmar: 'Verás que um filho teu não foge à luta!'”, disse. “Sou militante do PT, e quando o PT me convocar eu estarei pronto”.

O vereador Paulo Pedra (PDT) baixou o nível ao ser perguntado pelo vereador Clemêncio Ribeiro (PMDB) sobre porque estava criticando o valor do IPTU depois de ter voltado a favor. Pedra disse que votou favor com base nos números da Prefeitura, mas que o reajuste teria sido maior do que o apresentado e questionou se Ribeiro não teria "capacidade mental para entender isso".

O presidente da Câmara, Paulo Siufi (PMDB), chegou a pedir para Paulo Pedra retirar as ofensas de seu pronunciamento. Pedra acabou concordando e admitiu que havia exagerado.

Depois, o vereador Clemêncio Ribeiro teve que se ausentar por causa de um mal estar, mesmo com a votação da mudança na Lei do Silêncio na pauta. O próprio Paulo Siufi (PMDB), que é médico, fez o comunicado, explicando que Ribeiro estava com febre.

O vice-prefeito Edil Albuquerque (PMDB) venceu uma enquete para prefeito de Campo Grande com 41,29% dos votos, superando Paulo Matos (PP), Vander Loubet (PT), Luiz Henrique Mandetta (DEM), Antonio João (PTB), Edson Giroto (PR) e Reinaldo Azambuja (PSDB). A enquete não teve grande proporção, mas a equipe de Edil não perdeu tempo e já saiu divulgando, afinal, a campanha está aí.

O Senado desarquivou ontem a proposta que torna crime a discriminação de homossexuais. O projeto de lei altera o Código Penal e a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), tipificando como conduta criminosa a dispensa do trabalhador em função de sua orientação sexual. A pena prevista é de até cinco anos de prisão para os homofóbicos.

Apesar de aprovada em convenção pela maioria do partido, a aliança com o DEM continua enfrentando resistência no PT. O 1º candidato ao Senado pelo Partido dos Trabalhadores no Mato Grosso do Sul, Geraldo Biancatelli, que é um dos fundadores da legenda, resolveu abandonar o partido por não concordar com a aliança.

Mas o primeiro fundador do PT a anunciar a desfiliação foi o professor Enio Ribeiro de Oliveira. Ele estava no partido há 23 anos e havia sido presidente do diretório municipal douradense por duas vezes (1989-1990 e 1999-2001).

2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...


Legislar, fiscalizar e denunciar. O Vereador Paulo Pedra só cumpriu as suas atribuições de Vereador atendo aos desmandos da gestão pública municipal. Infelizmente não só os impostos que sofrem reajustes altíssimos com este desgoverno, todos os setores desta administração estão visivelmente afetados e quem paga o pato é a população! Falaaaaaaaaaaa mesmoooooooooooo Vereador!!!! Quem tiver ouvidos para ouvir, ouça!
 
Helaine Bitencourt Coimbra em 24/05/2011 01:31:03
Concordo com o nosso colega Paulo Antonio. Não houve melhorias em imoveis e esse IPTU foi reajustado sem criterios logicos. Até minha mãe que mora em SP ficou assustada com o valor, acho caro demais!!Entao gostaria de entender esse calculo, aguem pode me explicar esse aumento repetino?Mas usando a logica e nao a malandragem?
 
LUCIANA CARDACCI em 09/02/2011 10:56:00
Eu não vejo surpresa nenhuma o Edil ganhar as pesquisas mesmo que não seja de tamanha repercussão ... pois ele é um homem que a muito tempo tem trabalhado em função da nossa cidade e além de tudo uma pessoa muito boa ... apesar de ainda não ter votado nele ... eu votaria com muita confiança no Edil para Prefeito de Campo Grande !!!
 
Luiz Gustavo Winkler em 09/02/2011 10:54:24
Realmente o Paulo Pedra só falou verdades, coisas que os outros vereadores deveriam fazer e estar ao lado da população, assim como Pedra. Com tudo isso que a cidade está passando, realmente é motivo de revolta. Pelo menos um vereador está tão indignado qto a população, diferente dos outros.
 
Eugene Klein em 09/02/2011 09:59:37
Apesar do Paulo Pedra ter pedido desculpas, ele só falou verdades...
 
paulo antonio em 09/02/2011 09:35:36
Esse Paulo Pedra se acha o "bam bam bam" só por que é dono de cartório!!!
Não tem competência para ser vereador!!!!
Se esconde na sombra do Pai, que é dono de cartório.... Haaa se essa lei dos cartórios valesse.... ele ia estar estudando para passar em concurso público para cartorário!!!!
 
Jhonny Silva em 09/02/2011 05:50:18
Será que a planilha da UFMS vem com a explicação - tardia - dos aumentos continuados na tarifa do transporte urbano mesmo com a folha de pagamentos das empresas estarem 'livres' do salário e encargos dos cobradores?
 
Dirceu Martins em 09/02/2011 03:21:04
Conhecendo, como conheço o EDIL, acredito que, se ampliarem a consulta junto aos eleitores de CAMPO GRANDE-MS, vamos varificar índice favoráveis a ele, pois o eleitor, hoje, está mais ligado nas ações dos políticos, sua postura e envolvimento em denúncias que evidenciam, muitas vezes, comprometimentos inexplicáveis de alguns detentores de mandatos em diversas esferas. O EDIL merece todo nosso respeito e apoio.
 
SYRLEI MENDES NOGUEIRA em 09/02/2011 02:32:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions