A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


02/07/2016 07:00

Prefeito tem frases curtas à imprensa e discurso repetitivo

Waldemar Gonçalves

Frases curtas – Frases curtas e vagas marcam a relação nada estreita do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), com a imprensa recentemente, sem repassar nenhum detalhe que o possa comprometer. Questionado sobre a merenda escolar, respondeu: “vai bem, obrigado”; sobre a falta de funcionários nas unidades de saúde inauguradas: “vamos colocar gente qualificada e preparada”; sobre as demissões de contratos irregulares não efetivadas: “vai ser dentro do que precisa ser feito”; quando? “estamos vendo isso”; sobre sua pré-candidatura: “este não é meu foco”.

Bate bola, jogo rápido – E as vagas respostas continuam. Sobre a falta de vacinas contra gripe: “já pedimos ao Governo do Estado e Ministério da Saúde”; sobre possível candidatura de André Puccinelli (PMDB) a prefeito: “previsível que Puccinelli e vereadores se juntem para disputar a eleição”. Sobre convênio para recuperar vias: “só falta o Exército assinar e pode começar em julho”. Sobre o início da construção de casas no Bom Retiro, Canguru e Dom Antônio, em atraso desde março: “começará o quanto antes, mas não dá pra resolver tudo de um dia pro outro”.

Dá o play – Porém, em cima dos palcos, outro personagem se revela com fôlego para longos pronunciamentos, repletos de otimismo, conquistas e boas previsões. De uma agenda para outra, os discursos se repetem e, de tão parecidos, poderiam ser gravados e transmitidos em cada evento, sem prejuízo. Ao microfone, Bernal repete que reassumiu a Prefeitura em 27 de agosto, que foi vítima de um golpe de políticos e empresários, que a cidade estava “quebrada”, sem caixa e com greves e, por fim, que muito já foi feito e há tanto o que comemorar.

Vítima – A corrida para inaugurar o máximo de obras este sábado, data limite por conta do período eleitoral, revela o tom previsível de sua campanha para reeleição. Considerando os discursos, não faltarão ataques aos que “não o deixaram governar”, além de muito lamento por não ter tempo para concretizar o que havia planejado, justamente porque foi cassado em episódio que chama de “golpe”. Aliás, a palavra golpe, tão presente em nível nacional, é também repetida por Bernal a cada encontro com o eleitorado.

Envolvente locutor – Porém, um fato é inegável: o domínio verbal e boa oratória de Alcides Bernal. Sua fluída relação com as palavras, cara de bom moço e voz de locutor que tanto trabalhou em rádios, capacidade de improviso e de escape pela tangente, pretende novamente comover o eleitor para angariar votos.

Purgatório – Um purgatório de duas semanas. Assim a senadora Simone Tebet (PMDB-MS) resumiu como foi o período de depoimentos de testemunhas na Comissão do Impeachment no Senado, da qual faz parte. Em entrevista à Rádio Senado, ontem, comentou, entre outras coisas, que a perícia feita no processo "deixou claro que os crimes de responsabilidade aconteceram". "Foi a bala de prata e um tiro no pé da defesa", comentou a parlamentar.

Pura pressão – Para forçar o governo estadual a investir mais em saúde em Campo Grande, a Prefeitura prevê aplicar só 20% do orçamento na área em 2017, conforme documentou na Lei de Diretrizes Orçamentárias para o ano que vem. Tal percentual está aquém dos 33% aplicados atualmente.

Poucos leitos – Em entrevista, o secretário municipal de Saúde, Ivandro Fonseca, ressalta que Mato Grosso do Sul conta com apenas 324 leitos de UTI. Destes, 222 estão na Capital, o que resulta na migração maciça de pacientes vindos do interior.

Massacre de Caarapó – O Cimi (Conselho Indigenista Missionário) criou um espaço em sua página na internet totalmente dedicado ao que chama de “Massacre de Caarapó”, sobre o conflito entre índios e fazendeiros no município da região de Dourados, ocorrido no dia 14 de junho e que resultou na morte do agente de saúde indígena Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza, de 26 anos.

Guerreiro iluminado – Nas palavras divulgadas pelo Cimi: “A ação paramilitar foi uma represália à retomada da fazenda Yvu, incidente sobre a terra indígena Dourados-Amambaipegua I, identificada recentemente pela Funai. Após o assassinato de Clodiodi, a área retomada, tradicionalmente chamada pelos Guarani e Kaiowá de tekoha Toro Paso, foi rebatizada como Kunumi Verá – ‘guerreiro iluminado’, em Guarani”.

(com Alberto Dias)

DEM e a disputa entre André e Reinaldo
Já escolhi - Sobre a declaração de Puccinelli que estaria "namorando" o DEM, o deputado Zé Teixeira fez brincadeira para dizer de qual lado da disput...
Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...


Cimi continua a manipular informações e vender ódio e confronto. Igreja Católica envolvida nessa fraude contra os produtores e o Estado Democrático de Direito. Acredite quem quiser!!
 
monica em 02/07/2016 08:44:50
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions