A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


01/10/2015 06:00

Reforma política deixa deputados em "sinuca de bico"

Edivaldo Bitencourt

Restrição – A sanção da reforma política pela presidente da República, Dilma Rousseff (PT), vai dificultar a mudança de partido por dois deputados estaduais. Marquinhos Trad pretende deixar o PMDB. Já Beto Pereira está de malas prontas para abandonar o PDT.

Traumática – Com a mudança, Marquinhos só fica com a opção de mudar de partido por meio de ação na Justiça. A decisão pode causar traumas com o PMDB, que pode pesar em uma disputa equilibrada pela prefeitura da Capital.

Dúvida – Marquinhos Trad ainda não desistiu. Ele avalia que a mudança ainda é confusa. Segundo o peemedebista, há dúvidas se só os vereadores e prefeitos podem mudar de partido na janela aberta para quem está no último ano de mandato.

Sem dúvida – O deputado Eduardo Rocha (PMDB) não tem dúvidas. Ele é taxativo: só os vereadores poderão mudar de partido. “O interessante4 é que os deputados votaram na proposta que os deixa de fora da janela”, ressaltou.

Só o servidor – O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Marcos Tabosa, garante que não tem nada contra o prefeito Alcides Bernal (PP). Ele explicou que só recorreu à Justiça contra o parcelamento dos salários, porque pensa apenas e unicamente no servidor. Ontem, a Justiça acatou pedido do sindicato para obrigar a prefeitura a pagar os salários no 5º dia útil.

Aviso – Tabosa garantiu que já tinha avisado até Gilmar Olarte (PP), o antecessor, de que o apoio ao escalonamento era restrito à folha de julho. Mesmo assim, segundo o sindicalista, só endossou a proposta porque mais de 80% dos servidores receberam os salários no 5º dia útil.

Não mudou – Por outro lado, apesar de garantir não ter nada contra Bernal, Marcos Tabosa avalia que o atual prefeito não mudou nada e continua o mesmo de antes da cassação. Contudo, ele garante que se o chefe do Executivo cumprir o seu dever com o funcionalismo, não terá problemas da parte do Sisem.

Tática – Bernal adotou uma tática para enfrentar os seus “inimigos”. No pagamento do Bolsa Alimentação para 6 mil servidores, ele excluiu a intermediação feita pelo Sisem. No caso do lixo, também encontrou um jeito de pagar os salários dos 1.080 trabalhadores sem depositar dinheiro para a Solurb.

Mortes – O secretário municipal de Saúde, Ivandro Fonseca, admitiu que a falta de vagas nos hospitais é a causa das mortes nos postos de saúde. Só neste ano, segundo ele, 200 pessoas morreram nas unidades de saúde. Um dos problemas é a falha na regulação das vagas.

Impasse – Um dos problemas foi causado pela falta de prédio próprio para o Samu. Durante audiência na Câmara Municipal, vereadores e Ivandro Fonseca prometeram se unir para buscar uma solução para o problema junto ao Governo estadual.

(colaboraram Antonio Marques e Leonardo Rocha)

Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions