A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


27/02/2015 06:00

Sexta promete ser de terremoto político em Brasília e em MS

Edivaldo Bitencourt

Bomba – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, promete causar um terremoto em Brasília nesta sexta-feira. Ele deve divulgar a relação dos 42 políticos envolvidos no escândalo da Petrobras. A lista traz os detentores de foro privilegiado na Operação Lava Jato.

Insone – Em Mato Grosso do Sul, segundo os bastidores, a lista causa insônia em pelo menos um político graduado. A relação pode causar dança de cadeiras no Congresso Nacional já que poderá levar a cassação de mandatos.

Abreviar – Uma das principais soluções estudadas pelos supostos envolvidos no esquema é renunciar ao mandato para escapar do escândalo. A medida abreviaria o sofrimento público e pode tirar o acusado dos holofotes da mídia regional e nacional.

Cargos – A lista da Lava Jato é a principal causa no atraso nas nomeações dos novos dirigentes dos órgãos federais no País. A presidente da República, Dilma Rousseff (PT), decidiu colocar a mudança na geladeira até a publicação dos nomes dos envolvidos no escândalo da Petrobras.

Em alta – O ex-deputado federal e ex-secretário de Obras, Edson Giroto, ainda não foi nomeado, mas já se inteirou das novas funções no Ministério dos Transportes. Ele despacha normalmente e até já tem sala na pasta. 

Há tempos – Há 14 anos, desde a época em que Ramez Tebet foi ministro da Integração Nacional, um sul-mato-grossense não tinha um cargo de destaque no Governo federal. Giroto é hoje a "estrela"do Estado em Brasília.

Desafio – Pré candidato a prefeito, o primeiro desafio do deputado estadual Márcio Fernandes (PTdoB) será conquistar o apoio dos três vereadores da sigla em Campo Grande. Eles não gostaram de ficar sabendo da notícia pela imprensa.

TCE – O Tribunal de Contas do Estado deve realizar concurso público com urgência para suprir a ausência dos 260 funcionários demitidos. Eles mantinham contratos com o órgão por meio da Seleta e de uma empresa terceirizada.

Investigação – O Ministério Público Estadual chegou a abrir inquérito para investigar o contrato firmado entre o TCE e a Seleta. Algumas irregularidades foram detectadas pela Polícia Federal, conforme edital publicado no Diário Oficial do MPE.

Agonia – O Tribunal de Justiça prorrogou a agonia do ex-deputado estadual Antonio Carlos Arroyo (PR), que tem esperanças de ocupar a vaga de conselheiro do TCE. O Governo do Estado, que é contra a indicação, apresentou novos documentos sobre a irregularidade na aposentadoria de José Ricardo Pereira Cabral.

(colaborou Juliene Katayama)

 

2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions