ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  02    CAMPO GRANDE 15º

Arquitetura

Cansadas da falta de grana, mãe e filha reformam casa sozinhas

As duas assistiram o passo a passo pelo Youtube e trabalham até de madrugada para ter uma casa mais confortável.

Por Thailla Torres | 08/05/2020 07:49
Eloyna e Conceição decidiram reformar a casa sozinhas. (Foto: Paulo Francis)
Eloyna e Conceição decidiram reformar a casa sozinhas. (Foto: Paulo Francis)

Várias vezes temos comportamentos incompatíveis com o que que desejamos. Você quer ter mais foco, mas só fica no celular. Quer ter dinheiro sobrando, mas não economiza. Quer emagrecer, mas não faz exercício, nem se alimenta bem.  E quando entende isso a mudança parece mais rápida. Pelo menos foi assim com essa dupla disposta, formada por mãe e filha, que cansada da falta de grana e orçamento apertado durante a pandemia, decidiu reformar a casa sozinha.

E não estou falando de reorganização de móveis ou nova disposição de itens decorativos. Conceição Valdez de Souza, de 56 anos, e a filha Eloyna de Souza Perdonsini, 25, decidiram preparar argamassa, assentar pisos, fazer rejunte e acabamentos das superfícies para ter uma casa mais confortável.

As duas são donas de uma loja de decoração na rua Jaime Cerveira, no bairro José Tavares do Couto, em Campo Grande. Juntas viram o movimento cair desde o início da pandemia, e para não ficarem paradas, resolveram reformar os fundos da casa para deixar o cantinho mais confortável.

Mãe e filha aprenderam tudo pelo Youtube. (Foto: Paulo Francis)
Mãe e filha aprenderam tudo pelo Youtube. (Foto: Paulo Francis)

Mas a dedicação não é de agora, Eloyna volta em 2019 para lembrar que foi a falta de dinheiro para pagar um pedreiro que levou ela e a mãe para a frente do computador. “Fomos assistir vídeos no YouTube de passo a passo para uma reforma”, conta Eloyna.

A mãe mora na residência há cinco anos. “Nesse meio tempo eu também vim para cá. A casa não tinha piso, era só o contrapiso, não tinha portão, somente cerca de madeira. Depois de um ano conseguimos juntar nossas economias para colocar piso na casa, e contratamos um pedreiro, mas foi só o que deu pra fazer”, lembra. Nesse período, elas tiveram a casa assaltada. “Levaram muitas coisas e terminamos parte da obra com muitas dores de cabeça. Fizemos rifa para comprar um portão e fechar a casa”.

Ano passado, Conceição ficou desempregada e usou o acerto trabalhista para montar a própria loja. Eloyna também investiu as economias e o dinheiro das férias do comércio. “Reformarmos a peça que a gente morava para montar a loja e fizemos a cozinha. Mas a cozinha ficou só no contrapiso e rebocada”.

Um ano depois, a cozinha só no contrapiso continuava incomodando mãe e filha. “Sempre sujava muito a casa, e não era bonito de ver e nem confortável de estar. Então, ano passado, também fiquei desempregada, e com dinheiro do meu acerto comprei o material para a colocação de piso na cozinha”.

Assentar piso foi um dos maiores desafios, elas dizem. (Foto: Paulo Francis)
Assentar piso foi um dos maiores desafios, elas dizem. (Foto: Paulo Francis)

Foram mais de 30 dias de obra, lembra. “Tivemos vários intervalos, foi bem complicado, com muitas dores nas costas, mas não desistimos. Trabalhávamos até de madrugada. Terminamos e a cozinha ficou perfeita”.

Já a reforma dos fundos começou na pandemia. “Como o movimento caiu e a gente ganhou os pisos, argamassa, rejunte e uma churrasqueira usada, decidimos fazer a obra mais uma vez”. Porém, essa foi mais difícil, diz Eloyna. “Primeiro pelo tamanho do piso, um porcelanato de 0,83 cm, muito pesado. Além do reboco em todas as paredes, instalação de cano, piso no chão. As paredes eram irregulares e tivemos que passar um revestimento que nunca passamos”.

As duas estão na reforma desde o dia 15 de abril. “Meu meu cunhado e minha irmã nos ajudaram a posicionar a churrasqueira e a colocar uns pisos na parede, e o restante, início da parede e finalização, instalação do chão, acabamentos, reboco, colocação de cano de esgoto, contrapiso, rejunte e massa corrida, tudo foi a gente que fez. Ficamos impressionadas de como somos capazes, e estamos quase no final da obra”.

Área de lazer está quase pronta. (Foto: Paulo Francis)
Área de lazer está quase pronta. (Foto: Paulo Francis)

Ver a empolgação da mãe que até pouco tempo estava triste e preocupada com a situação financeira não tem preço para Eloyna, que abre mão de qualquer diversão para ser parceira da mãe nos projetos da casa. “Ela anda feliz, realizada, isso pra mim é tudo e me motiva a continuar, por mais difícil que seja”.

Dona Conceição também não poupa elogios à filha. “Ela é uma ótima filha e parceira, não desiste de ficar ao meu lado nem por um minuto”, diz a mãe.

O mais incrível é que as duas juram que nunca brigaram na obra, coisa fácil de acontecer quando duas pessoas tem estilos diferentes. “A gente sempre entra em um acordo quando uma não concorda. No final do dia, a se diverte lembrando dos tombos, dos erros, da sujeira e do cabelo duro de tanto suor”.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

As duas são parceiras na vida, nos negócios e nas reformas. (Foto: Paulo Francis) 
As duas são parceiras na vida, nos negócios e nas reformas. (Foto: Paulo Francis)