ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SÁBADO  25    CAMPO GRANDE 19º

Artes

História de herói japonês que morou em MS virou filme de 3 horas

Onoda viveu escondido durante 29 anos por não acreditar que a 2ª Guerra Mundial havia acabado

Por Aletheya Alves | 11/05/2022 09:45
Cena do filme "Onoda: 10 Mil Noites na Selva". (Foto: Divulgação/BBC)
Cena do filme "Onoda: 10 Mil Noites na Selva". (Foto: Divulgação/BBC)

Depois de livros e documentários publicados sobre o herói japonês Hiroo Onoda, a história do ex-tenente se transformou em um filme de três horas e tem previsão de ser estreado no Brasil em agosto. Onoda passou 29 anos escondido em uma selva filipina por não acreditar que a 2ª Guerra Mundial havia acabado e, depois de ser homenageado em seu retorno ao Japão, escolheu Mato Grosso do Sul para viver.

A história do soldado japonês foi publicada em seu livro de memórias e ganhou posto de best-seller. Seguindo os passos do livro, o filme, que estreou no Festival de Cinema de Cannes, na França, também foi aclamado, conforme matéria publicada pela BBC.

Dirigido por Arthur Harari, o filme foi intitulado “Onoda: 10 Mil Noites na Selva” e tem previsão de estrear no Brasil em agosto deste ano.

Quando tinha 22 anos, em 1944, Onoda foi enviado em uma missão para defender o Japão em Lubang, uma pequena ilha nas Filipinas. Após um ataque norte-americano, ele continuou escondido na ilha sem se render, indo na direção oposta do que seu país fez em 1945.

Registro de quando Onoda retornou ao Japão após anos na selva. (Foto: Divulgação)
Registro de quando Onoda retornou ao Japão após anos na selva. (Foto: Divulgação)

Folhetos sobre a rendição foram distribuídos por aviões nos locais mais afastados, mas o japonês não acreditou e seguiu na ilha. Buscas foram feitas tanto pela polícia filipina quanto por expedições japonesas, mas o tenente continuou resistindo.

Anos depois de ser declarado como morto pelo governo em 1959, Onoda saiu de sua base militar e reapareceu em 1974. Na época, ele estava com sua espada, 500 cartuchos de munição e 5 granadas de mão.

Já no Japão, Onoda recebeu honrarias por cerca de um ano e decidiu se mudar para Terenos, em Mato Grosso do Sul, na Colônia Jamic. Seu irmão já morava e Onoda seguiu na colônia por cerca de 40 anos administrando uma fazenda.

O ex-tenente se casou por aqui e, anos depois, retornou ao Japão. Em Tóquio, o soldado morreu e, desde então, novas produções sobre sua vida seguem ganhando destaque.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias