ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  17    CAMPO GRANDE 35º

Artes

No centenário de Manoel, por que não há um museu para nosso poeta?

Por Naiane Mesquita | 19/12/2016 07:09
Casa do Homem Pantaneiro poderia abrigar o museu de Manoel de Barros (Foto: Marcos Ermínio)
Casa do Homem Pantaneiro poderia abrigar o museu de Manoel de Barros (Foto: Marcos Ermínio)

Foi ele quem revelou ao mundo as miudezas que tornam o Mato Grosso do Sul único, mas mesmo assim, sua homenagem por essas terras continuam escassas, esquecidas pelo tempo e pontuais ao centenário. Manoel de Barros está mais que consagrado como um dos maiores poetas do mundo, eleito primeiramente pelo amigo Carlos Drummond de Andrade, e precisa de um espaço que mostre a cada um dos passarinhos que deixou para trás o quanto sua arte é atemporal.

No dia em Manoel de Barros completaria 100 anos de vida, o Lado B propõe alternativas e busca respostas para um caminho que precisa ser desbravado pela sociedade, poder público e privado. Como manter viva a arte do nosso poeta para as velhas e futuras gerações?

Em Campo Grande há espaços ociosos que podem receber um acervo físico e tecnológico de Manoel. Seguindo os passos de grandes museus pelo País, como o da Língua Portuguesa, em São Paulo e Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, é possível utilizar a modernidade a nosso favor para criar uma atmosfera mágica e compatível ao que o poeta conta a respeito da nossa história.

Ique com a miniatura de Manoel de Barros escondida na caixa, apresentação é feita hoje para o governador (Foto: Naiane Mesquita)
Ique com a miniatura de Manoel de Barros escondida na caixa, apresentação é feita hoje para o governador (Foto: Naiane Mesquita)

A casa do Homem Pantaneiro localizada atrás do Aquário do Pantanal, no Parque das Nações Indígenas, é um dos locais abandonados na cidade que poderiam receber objetos, relíquias e instalações artísticas e tecnológicas para construir no imaginário popular, quem foi o nosso poeta.

"Com o centenário todos os olhares foram voltados para a produção do Manoel. Voltou também a preocupação de ter uma instituição que abrigue o acervo dele, assim como o fotógrafo Roberto Higa que todo mundo está falando sobre ele agora", afirma Caciano Lima, 35 anos, gerente de Patrimônio Histórico e Cultural da Sectei (Secretaria de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação) e especialista em museologia.

Recentemente, o projeto da instalação de uma estátua de bronze feita pelo artista visual Ique foi anunciada pelo Governo do Estado. Orçado em mais de R$ 200 mil, o investimento foi questionado, mas se manteve em pé. O que poucos sabem é que a idealização de uma homenagem ao poeta por Ique é antiga.

"Eu apresentei esse projeto a Prefeitura em 2009, na época ao prefeito Nelson Trad e a outros parceiros. Nós negociamos durante um tempo, mas acabou não indo para frente. Depois eles montaram aquela instalação próxima a prefeitura com um projeto semelhante ao meu, mas que nem posso afirmar que foi uma cópia. Eu acabei deixando o tempo passar", ressalta.

Caciano Lima é especialista em museologia e acredita que a tecnologia deve estar presente no museu de Manoel (Foto: Marcos Ermínio)
Caciano Lima é especialista em museologia e acredita que a tecnologia deve estar presente no museu de Manoel (Foto: Marcos Ermínio)

Com reportagens que focam no valor do investimento, Ique acredita que as pessoas tem dificuldade em aceitar que a arte tem um custo e que a seleção do artista depende do seu trabalho. Com dois prêmios Esso de Jornalismo nas costas, como chargista e responsável por várias estátuas de personalidades pelo País e o mundo, Ique não sente o apoio da classe artística, mesmo sendo uma homenagem ao poeta.

"Eu acho que não é o primeiro passo na valorização de Manoel de Barros, mas é um grande passo. Existe um grupo dentro da cultura que reconhece o Manoel de Barros como uma figura internacionalmente famosa, reconhecida não só por quem está aqui, mas fora do País. Essa falta de homenagens é um grande problema na cultura, na política interna do Estado e da sociedade, que deveria estar participando muito mais", explica.

Provavelmente a estátua ficará na avenida Afonso Pena, em frente ao prédio do Comando Militar do Oeste que agora está sob administração do Sesc Campo Grande. O Sistema terá uma importância na conservação do patrimônio, por meio de uma parceria público-privada.

A estátua de Manoel é toda feita em bronze. A miniatura mostra um poeta sentado no sofá, uma réplica autêntica do móvel que está na casa até hoje. "Dizem que o sofá tem a marca da bunda dele", ri Ique. Um passarinho repousa ao lado e Manoel sorri, assim como nas fotos, com todos os dentes aparecendo e os olhos por trás do óculos.

Toda a concepção da escultura culmina para que o visitante se acomode ao lado de Manoel e possa se sentir mais próximo dele. "Existe um projeto apresentado para o governo e parceiros que eu quero fazer uma instalação onde as pessoas vão se aproximar do Manoel e vai ter poesia até chegar nele. Uma instalação em que o mundo inteiro possa ter um contato estreito com o poeta", explica Ique.

Para a secretária-adjunta da Sectei, Andrea Freire, a apresentação da estátua integra uma série de homenagens realizadas para o centenário de Manoel, mas, que, por enquanto, ainda não há uma previsão para a construção ou elaboração de um museu ou sala de memória do poeta. "Começamos com as atividades do centenário desde o dia 20 de setembro em vários âmbitos da educação e da cultura. Encerramos com a réplica da escultura do poeta. Por enquanto, por causa da instabilidade financeira que o País vive, um museu desse porte que nós idealizamos precisaria de um recurso muito grande e não temos condições agora. Mas, existem outras formas de homenagear o poeta", acredita Andrea.

De acordo com Caciano, a Casa do Homem Pantaneiro, no Parque das Nações Indígenas não seria o ideal por ser um ambiente rústico, que remete a uma outra época. "Eu acho que tem que ser um espaço tecnológico, porque o Manoel de Barros é contemporâneo. Embora ele fale do Pantanal a gente tem que parar com essa mania de que tudo que é do Pantanal é tuiuiú, gado, chapéu. O Pantanal não é só isso. O Manoel não é rústico, temos que partir do pressuposto de que temos que manter o tom contemporâneo", aponta.

Segundo o especialista em museologia, parcerias público-privadas podem ser a solução para, no mínimo, a construção de uma sala de memória. "Talvez no Aquário do Pantanal. Inclusive no projeto tem um museu lá dentro. Acho que não podemos esquecer as universidades, a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e UFMS (UNiversidade Federal de Mato Grosso do Sul) que tem cursos de letras e artes visuais que podem participar do diálogo, eles podem ajudar a pensar em um espaço para o Manoel", frisa.

Com toda a poesia de Manoel, a sutileza da tecnologia e sua beleza que é capaz de encher os olhos são a saída para contar com profundidade quem é o poeta das miudezas. "O que é tecnológico é interativo, pode até ser de longa duração, mas tem que ser interativo, tem que prender a gurizada. O que é estático não enche mais os olhos dos espectadores, tem que ser algo inovador", declara Caciano.

E você, onde acha que o museu de Manoel de Barros deveria ficar?

Foto de ensaio feito com Manoel, por Marcelo Buainain.
Foto de ensaio feito com Manoel, por Marcelo Buainain.
Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário