ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  16    CAMPO GRANDE 20º

Comportamento

Além de oficinas, mulherada investe até na tarefa de “marida de aluguel”

Opções são de serviços de reparos gerais ou tudo relacionado à manutenção de carros só para a mulherada

Por Bárbara Cavalcanti | 25/09/2021 09:04
Michelly furando a parede em um dos seus serviços de "Marida de Aluguel". (Foto: Arquivo Pessoal)
Michelly furando a parede em um dos seus serviços de "Marida de Aluguel". (Foto: Arquivo Pessoal)

Levar o carro para a manutenção ou contratar alguém para fazer um conserto geral em casa, não deveria, mas para mulheres se torna difícil. Nesses meios, o machismo gera medo e insegurança de passar por situações desconfortáveis e até perigosas.

Assim, outras mulheres, com experiência em áreas como mecânica e manutenção, investem no público feminino, em meio a um mercado predominantemente ocupado por homens.

É o caso de algumas oficinas mecânicas aqui na Capital, uma delas aberta no ano passado. A história do autocenter Ela Car já apareceu aqui no Lado B, fruto da ideia da estudante de engenharia, a Valéria, de 24 anos.

O local, que fica no Bairro Amambaí, foi todo pensado para que as mulheres se sintam à vontade, podendo até realizar alguns procedimentos estéticos enquanto aguardam os serviços feitos pelo pai de Valéria, Aldevan Pereira.

E há até homens que estão entrando no ramo da exclusividade feminina. É o caso da oficina D’elas, recém-inaugurada na Avenida Noroeste, 41, no Bairro Vila Planalto.

O proprietário, Cleber Arce Vieira, de 40 anos, já é mecânico desde os 15 anos e quis se especializar nesse público. “O objetivo é facilitar a vida das mulheres, criando um espaço onde ela possa ter confiança e ainda tomar um cafezinho”, detalha.

Recepção da oficina foi feita para conforto da mulherada, com opções até de café gourmet. (Foto: Arquivo Pessoal)
Recepção da oficina foi feita para conforto da mulherada, com opções até de café gourmet. (Foto: Arquivo Pessoal)

Cleber ainda procura consultar as mulheres em seus ciclos para montar suas propostas. A recepção é toda voltada ao público feminino, mesmo que homens não necessariamente sejam rejeitados. “Tem muito isso da mulher não se sentir segura. Mas aqui, todo atendimento é justamente voltado para que ela não precise se preocupar”, reforça.

Já a professora Michelly de Oliveira Leite, de 35 anos, oferece seus serviços de "Marida de Aluguel". Ela relata que começou mesmo a "colocar a mão na massa" ajudando outras mulheres durante a pandemia, mas que a atividade ganhou força mesmo neste ano.

"Eu sempre morei com minha mãe, uma irmã e um irmão. Quem tomava a dianteira nessas partes de manutenção eram minha irmã e eu. Meu pai mora em Dourados e sempre me ensinava algumas coisas, foi com ele que, inclusive, montei minha caixa de ferramentas. Assim, desde sempre gostei e comecei a pesquisar também coisas na internet", detalha.

Michelly faz de tudo um pouco: manutenção em chuveiros, colocar cortinas, trocar sifões, torneiras e lâmpadas e até monta pequenos móveis. "Tudo eu avalio se eu dou conta de fazer. E quando é algo que eu não consigo, tenho pessoas de confiança que posso indicar", explica. Além dos serviços para fora, gosta de "experimentar" com projetos na própria casa. "A iluminação do meu jardim, eu que fiz", ressalta.

Michelly montando banquinhos. (Foto: Arquivo Pessoal)
Michelly montando banquinhos. (Foto: Arquivo Pessoal)

Ela também se coloca à disposição para acompanhar serviços feitos por outras pessoas na casa de uma mulher. "Tem muito aquilo das mulheres não se sentirem seguras de receber um prestador de serviço sozinha em casa e também de não entender muito bem o que ele está fazendo. Eu me coloco à disposição pra acompanhar esses serviços, também reparo no preço que estão cobrando, tudo isso. E ainda aproveito para aprender também com o pedreiro", expressa.

A recepção, de acordo com Michelly, foi de total receptividade por parte da mulherada. "Elas ficam muito maravilhadas com a proposta. Vi muitas meninas que eu nem conheço compartilhando meu contato e me indicando e isso me deixa muito feliz", comenta. Para entrar em contato com Michelly, basta ligar no telefone (67) 99170-3769.

Michelly em um dos serviços de "Marida de Aluguel". (Foto: Arquivo Pessoal)
Michelly em um dos serviços de "Marida de Aluguel". (Foto: Arquivo Pessoal)

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário