ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  26    CAMPO GRANDE 37º

Comportamento

Há 47 anos, loja de tintas no Centro se mantém aberta pela disposição de Nelson

Com uma garagem para carros ao lado do prédio, a loja vende de acessórios para carro até materiais de pintura de todos os tipos.

Por Kimberly Teodoro | 11/10/2018 08:07
Há 47 anos na Rua Aquidauana, loja de tintas já foi a maior da cidade (Foto:Kísie Ainoã)
Há 47 anos na Rua Aquidauana, loja de tintas já foi a maior da cidade (Foto:Kísie Ainoã)

A movimentação na Rua Aquidauana é tímida se comparada ao resto do Centro da cidade. E assim como a rua, o prédio que, segundo o proprietário Nelson Chaia, de 74 anos, já abrigou a maior loja de tintas da cidade também é discreto.

Construído em 1971, o único elemento a chamar atenção é o número 240 na fachada marrom e amarela, feita também com tijolos aparentes.

Nelson Chaia trabalha no comércio de Campo Grande desde os 9 anos (Foto: Kísie Ainoã)
Nelson Chaia trabalha no comércio de Campo Grande desde os 9 anos (Foto: Kísie Ainoã)

Antiga Arco-íris tintas, a atual NN Automóveis já foi a única a trocar para-brisas em Campo Grande. Com uma garagem para carros ao lado do prédio, a loja vende de acessórios aos materiais de pintura de todos os tipos. Até os anos 90, o sucesso era tão grande que o proprietário chegou a abrir outras 3 franquias. Saudoso, ele ainda se lembra da época em que a rua era movimentada por caminhões lotados, que reabasteciam o estoque 5 vezes por semana.

Com um copo de café na mão, Nelson relembra que há 30 anos teria sido impossível parar e “jogar conversa fora”, porque os clientes entravam e saíam o tempo todo. Na loja que já teve, literalmente um time de futebol formado só por funcionários, os troféus ainda estão no alto das prateleiras de tinta, que costumavam ocupar todo o espaço na parede até os fundos do prédio, muito semelhante ao de um galpão.

A fachada marrom com amarelo é discreta e hoje quase passa despercebida (Foto:Kísie Ainoã)
A fachada marrom com amarelo é discreta e hoje quase passa despercebida (Foto:Kísie Ainoã)
Na parede os troféus do antigo time de futebol da loja lembram tempo em que o movimento era tanto que exigia um número maior de funcionários (Foto:Kísie Ainoã)
Na parede os troféus do antigo time de futebol da loja lembram tempo em que o movimento era tanto que exigia um número maior de funcionários (Foto:Kísie Ainoã)

Nelson começou a trabalhar aos 9 anos no Mercadão Municipal, na época em que “ainda era uma feira”. Lá teve o próprio box de pão caseiro. Foi acordando cedo e trabalhando até mais tarde que ele conta ter conseguido juntar dinheiro para construção do prédio onde trabalha até hoje.

Na tentativa de mudar de vida, Nelson deixou a loja nas mãos do irmão e estudou 6 meses para prestar vestibular, chegou a fazer faculdade de Direito em Uberaba, já que “naquele tempo não havia um advogado em cada esquina como hoje. Fazer carreira era muito mais fácil”.

A rotina durante a faculdade era corrida, o irmão cuidava da loja e ele ia para Uberaba mais ou menos a cada 15 dias e, dependendo de como as coisas estavam por aqui, ficava cerca de uma semana para concluir as provas. “Eu tinha os livros e dava para fazer o curso à distância, o fim de semana que eu chegava lá ficava trancado no hotel estudando até virar a noite”, lembra com orgulho.

Na tentativa de mudar de vida, Nelson chegou a cursar direito em Uberaba (Foto:Kísie Ainoã)
Na tentativa de mudar de vida, Nelson chegou a cursar direito em Uberaba (Foto:Kísie Ainoã)

Depois de formado, apesar de todo o sacrifício para estudar, Nelson descobriu que havia de fato sido feito para a vida de lojista. Se ele tem algum arrependimento de ter deixado de lado a carreira de advogado? "De jeito nenhum".

Foi com a renda da loja que Nelson cuidou da esposa e dos 5 filhos, dos quais 2 são adotados. Antigamente o assunto costumava ser um tabu, mas isso não influenciou em nada a decisão que para o casal foi natural.

Mesmo com tantos filhos, Nelson continua sendo o único a se dedicar à loja. “Todos eles estudaram e seguiram outras carreiras, tenho filho advogado, uma filha engenheira e a mais nova cursa Medicina na Argentina”, conta ao garantir não se sentir chateado com as escolhas de nenhum deles, Nelson entende que o comércio é uma vocação bem particular.

 

Nenhum dos 5 filhos quis tocar o negócio do pai, mas Nelson entende que o comércio é uma vocação dele (Foto:Kísie Ainoã)
Nenhum dos 5 filhos quis tocar o negócio do pai, mas Nelson entende que o comércio é uma vocação dele (Foto:Kísie Ainoã)
Com o tempo as prateleiras repletadas deram lugar ao espaço vazio nos fundos da loja (Foto:Kísie Ainoã)
Com o tempo as prateleiras repletadas deram lugar ao espaço vazio nos fundos da loja (Foto:Kísie Ainoã)

Com o movimento reduzido, sobra espaço nos fundos da loja que hoje rende o suficiente para se manter, mas que não vai fechar as portas enquanto Nelson tiver condições para trabalhar. garante o empresário.

Apesar da idade e de já ser aposentado, ele nem pensa em vender o prédio e aproveitar os frutos do trabalho em casa. Diz que pode, no máximo, tirar uma semana de folga no fim do ano para viajar com a esposa. “Abro a loja todos os dias às 7h da manhã e fecho às 17h, até eu morrer vai continuar sendo assim”.

Curta o Lado B no facebook e no Instagram.

Aos 74 anos é a disposição de Nelson que mantém a loja aberta  (Foto:Kísie Ainoã)
Aos 74 anos é a disposição de Nelson que mantém a loja aberta (Foto:Kísie Ainoã)