ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, SEGUNDA  08    CAMPO GRANDE 30º

Comportamento

Maior viveiro de bonsais de MS serve de lembrança dos que se foram

Wagner Takamori criou um hotel geriátrico cheio de bonsais onde cada exemplar pode carregar o nome daqueles que se foram

Por Lucas Mamédio | 24/01/2021 08:20
Parte dos bonsais de Wagner (Foto: Arquivo Pessoal)
Parte dos bonsais de Wagner (Foto: Arquivo Pessoal)

Wagner Takamori iniciou sua paixão pelos bonsais na juventude, quando morou no Japão. Hoje o empresário é dono do maior viveiro de bonsais do estado, com mais de 5 mil exemplares divididos em sua casa, no hotel para idosos que possui e em outro viveiro.

“Morei 15 anos no Japão, estudei fotografia e sempre treinava fotografia em um viveiro de bonsai que tinha perto de casa, ai nasceu minha admiração”, explica.

E não é só isso, nos exemplares que ficam no hotel, é possível homenagear entes queridos que se foram dando nomes às plantas. A ideia surgiu em 2020.

Wagner recebeu uma doação de mais de 2 mil bonsais (Foto: Arquivo Pessoal)
Wagner recebeu uma doação de mais de 2 mil bonsais (Foto: Arquivo Pessoal)
São mais de 400 espécies diferentes (Foto: Arquivo Pessoal)
São mais de 400 espécies diferentes (Foto: Arquivo Pessoal)

“No início da pandemia resolvi criar um projeto unindo o Hotel Residência Emilio Takamori, um hotel geriátrico que montei para dar mais conforto ao meu pai, paciente paliativo. A arte que tanto admirei minha vida toda, um hotel geriátrico é por muitos lembrado como fim, e eu queria quebrar essa imagem, foi onde nasceu a ideia de criar um jardim oriental com bonsai, e batizar cada bonsai com o nome dos nossos vovós e vovôs,  para ter sempre a imagem de uma lembrança viva, hj temos parentes que vem toda semana visitar o bonsai que leva o nome do pai, ou da mãe, que faleceu”.

Segundo Wagner a ideia deu tão certo que hoje em dia muitos parentes fizeram do local um “santuário” onde visitam os bonsais como se tivesse indo falar com os familiares que faleceram. “Transformamos a imagem da "morte" em algo vivo e lindo”.

Wagner começou a paixão pelo bonsai quando morou no japão (Foto: Arquivo Pessoal)
Wagner começou a paixão pelo bonsai quando morou no japão (Foto: Arquivo Pessoal)

O projeto cresceu e Wagner recebeu uma doação que alocou seu viveiro a um dos maiores do Centro-Oeste. “Recebi de um bonsaista local uma doação de 2 mil plantas, todo um viveiro de 30 anos de trabalho, incluindo uma imbaúba de 65 anos, avaliada hoje em 50 mil reais. Com essa doação a nossa história ficou famosa, e bonsaistas do Paraná,  Minas, SP,  RJ começaram a mandar doações, e presentes, como vasos e adubos, comecei a viajar também e adquirir plantas de sítios”.

Com tudo isso Wagner hoje tem quase 5 mil exemplares divididos em 410 espécies diferentes. “Desconheço um espaço com esse número de plantas no Centro-Oeste”.

Para saber mais sobre o trabalho de Wagner acesse o o site oficial.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário