ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  07    CAMPO GRANDE 29º

Comportamento

Nas ruas, Fael é apontado como favorito ao prêmio no Big Brother

Por Fabiano Arruda e Elverson Cardozo | 20/02/2012 13:37
Campeiro diz que Fael leva prêmio por representar os trabalhadores do campo. (Foto: Pedro Peralta)
Campeiro diz que Fael leva prêmio por representar os trabalhadores do campo. (Foto: Pedro Peralta)

Simpatia e humildade estão entre os quesitos que colocam Fael como favorito ao prêmio de R$ 1,5 milhão no Big Brother Brasil.

É o que aponta enquete realizada pelo Campo Grande News nesta segunda-feira na região central da Capital.

“Ele é muito simpático. É daqui e a gente tem que torcer”, opinou a atendente Nely Martins, 35 anos.

“Com certeza ele vai ganhar pela humildade”, disse a estudante Letícia Ferreira, 17 anos, destacando o médico veterinário como bom representante do Estado no jogo.

Já a cozinheira Jucilene Lucindo, 32 anos, acredita que Fael leva o prêmio, pois é honesto e joga bem na casa. “Ele não é falso”, completou.

O campeiro Wellington Lucindo, 19 anos, afirma que o sul-mato-grossense merece. “É favorito porque representa nós que trabalhamos no campo”, frisa.

O estudante Ederson Gomes, 18 anos, por sua vez, também reforçou o quesito simpatia em Fael. “Acho que ele ganha R$ 1,5 milhão porque ele é o que menos incomoda. E tem menos inimigo”, ressalta.

Estudante destaca humildade do sul-mato-grossense.
Estudante destaca humildade do sul-mato-grossense.

Desde o começo do BBB 2012, o veterinário deu mostras de que seria um forte concorrente na disputa. No primeiro paredão, recebeu apenas o voto de Daniel que, posteriormente, deixou o confinamento.

Agora, desfruta de uma liderança após um erro na prova do líder na última quinta-feira. Indicou Laisa para o paredão. Ela, vista como antagonista na edição, briga pela preferência do público com João Carvalho.

A saída de Laisa pode ser o termômetro da popularidade de Fael no jogo. Por circular bem entre os participantes, o sul-mato-grossense é visto como favorito pelos próprios colegas. Tanto que alguns deles já declararam ter medo de enfrentá-lo no paredão.