ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  07    CAMPO GRANDE 20º

Consumo

Escondida por 5 anos em callcenter, Camila vira modelo de manequim 50

Formada em Educação Física, Camila nunca trabalhou na área por medo de ninguém contratar uma profissional gorda

Por Paula Maciulevicius Brasil | 13/07/2020 06:12
Camila trabalha como caixa na loja onde também é modelo e dona. (Foto: Kísie Ainoã)
Camila trabalha como caixa na loja onde também é modelo e dona. (Foto: Kísie Ainoã)

Foram cinco anos escondida atrás de um telefone, entre ser atendente de telemarketing e se tornar supervisora. Até que em 2017, desempregada, Camila pegou todo o dinheiro do acerto, aproximadamente R$ 5 mil reais, investiu em roupa e em um pequeno salão no Aero Rancho. Era o pontapé do negócio onde ela é a própria modelo mostrando que gordinha também pode se vestir bem usando manequim 50.

O Lado B chegou até a empresária Camila Benites Moreira Corbetta, de 29 anos, depois de se interessar pela história da loja que bomba no Aero Rancho vendendo só moda plus size, e descobriu que Camila "se escondeu" por conta do peso antes mesmo de chegar ao telemarketing, ainda na faculdade.

Formada em Educação Física, a luta contra a balança lhe acompanha a vida toda e não aceitação do próprio corpo também.

É ela quem expõe nas redes sociais os modelos de roupas que a loja oferece. (Foto: Kísie Ainoã)
É ela quem expõe nas redes sociais os modelos de roupas que a loja oferece. (Foto: Kísie Ainoã)

"Eu nunca atuei porque achava que professora de educação física tinha que ser magra. Em 2011 me formei, saí da faculdade e me vi perdida, minhas amigas todas trabalhando em academias, todas com corpos lindos e eu gordinha, não tive coragem de pedir emprego em lugar nenhum. O preconceito começava dentro de mim", analisa hoje. Os anos atrás do telemarketing também lhe provavam que pelo menos ali, o corpo não importava. "Eu não precisava ser magra pra ser gestora", completa.

Camila conta que só conseguiu se aceitar quando abriu a loja, em janeiro de 2018. "Eu consegui me aceitar e sempre digo que não vendemos só roupas, vendemos autoestima, autoaceitação, e isso começou comigo mesma", diz.

A ideia de ir para o ramo plus size vinha não só da experiência própria, em ter dificuldade de encontrar roupas do seu manequim de preço acessível e jovial, como também das operadoras com quem Camila trabalhava. "Elas sofriam por não encontrar, e quando achavam, era sempre muito caro e eu ficava revoltada: por que a magra encontra roupa bonita por 15 reais e a gente, além de só encontrar roupas de senhora, são todas muito caras?" questionava.

Em seis meses de loja aberta, Camila teve que mudar de salão, ir para um maior que comportasse mais clientes. O nome que virou marca no Aero Rancho não foi escolha, e sim imposição.

"Quando fui fazer a página nas redes sociais, não aceitava só 'Moda Plus Size' que era o nome porque era muito geral, tinha que colocar mais alguma coisa e então coloquei Camila Moda Plus. Mas de início eu não queria não, achava muito narcisista, mas acabou vingando e eu virei minha própria marca, já que sou garota propaganda da loja que tem o meu nome", afirma.

Camila é a própria modelo que foi vencendo aos poucos a vergonha e posando em fotos para o Instagram da loja. "Quando eu usava fotos de outras modelos, os clientes reclamavam, porque queriam me ver com as peças para poder saber o tamanho real das roupas me usando como base. Assim, eu fui perdendo a vergonha do meu corpo e me aceitando. Hoje tenho orgulho de poder ser a modelo oficial da minha loja e mostrar minhas curvas sem ser julgada".

Camila conta que só se aceitou quando passou a trabalhar com a autoestima de outras mulheres. (Foto: Kísie Ainoã)
Camila conta que só se aceitou quando passou a trabalhar com a autoestima de outras mulheres. (Foto: Kísie Ainoã)

Camila usa manequim 50, e vende na loja do 46 até o 60, com destaque especial para os bodies de renda e lingeries. "A gente que mostrar que a gordinha pode sim usar cropped e biquíni. A gordinha, na verdade, quer usar a mesma coisa que a magra, a roupa que está na moda, mas quer algo que caiba nela e que fique bonito, que seja feita na nossa numeração e medida", explica Camila.

A dona não tem intenção de sair do Aero Rancho nem se a loja crescer mais. Atualmente trabalha ela, a mãe e o marido juntos, e, aos finais de semana, Camila contrata vendedores free lance. "Ainda somos uma loja pequena, de bairro, mas graças a Deus cada dia que passa conseguimos nos consolidar mais no mercado. As mídias sociais nos ajudam muito  temos clientes na cidade toda e até fora da cidade", comemora.

Quem quiser ver Camila de modelo, o Instagram da loja é o @camilamodaplus.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Camila usa manequim 50 e mostra que pode vestir tudo o que a magra veste com roupas dentro das suas medidas. (Foto: Kísie Ainoã)
Camila usa manequim 50 e mostra que pode vestir tudo o que a magra veste com roupas dentro das suas medidas. (Foto: Kísie Ainoã)