ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 25º

Consumo

Evelyn nem sabia maquiar, mas hoje é “Cenourinha” craque nos tutoriais

Sem vergonha de mostrar as paletas quebradas e as espinhas, ela conquistou 1,4 milhão de seguidores

Por Jéssica Fernandes | 02/05/2022 07:00
Há seis anos, Evelyn começou a gravar conteúdo sobre maquiagem. (Foto: Arquivo pessoal)
Há seis anos, Evelyn começou a gravar conteúdo sobre maquiagem. (Foto: Arquivo pessoal)

Os tutoriais de maquiagem e cabelo começaram quando Evelyn Thalia, de 23 anos, estava no final da adolescência. Na época, a jovem gravava os vídeos como uma forma de passar o tempo e relaxar após as demandas da faculdade e trabalho. Durante a pandemia, ela viu o conteúdo bombar na internet, render 1,4 milhão de seguidores no Instagram e chamar a atenção de patrocinadores.

Criada no interior do Estado, a "Cenourinha" achava que não iria dar conta de viver em Campo Grande. Hoje, ela é referência fazendo o que gosta e mostrando para aqueles que a seguem como fazer desde maquiagens básicas até as trabalhosas e temáticas. Antes de arrasar nas produções, Evelyn sabia só o básico e, por questões financeiras, nunca conseguiu fazer um curso na área.

Quando começou a gravar os primeiros tutoriais, a jovem mostrava a realidade e não escondia as espinhas no rosto ou as paletas quebradas que usava. Por essa razão, ela relata que sofreu diversas críticas. “Eu sofri muito, porque tenho problemas de hormônios e tinha muita espinha. Os comentários são de doer o coração, o pessoal também falava que eu não tinha dinheiro nem pra comprar maquiagem boa”, lembra.

No Instagram, Cenourinha compartilha as produções de maquiagem. (Foto: Arquivo pessoal)
No Instagram, Cenourinha compartilha as produções de maquiagem. (Foto: Arquivo pessoal)

Apesar de os vídeos terem despertado comentários negativos, a maquiadora diz que mostrar a realidade e os perrengues como blogueira conquistou a admiração dos seguidores. “Eu pensava que seria muito legal mostrar a realidade, porque não tinham blogueiras assim. Isso trouxe o pessoal que gosta mesmo de mim e se identificou comigo”, afirma.

Vivendo exclusivamente da produção de conteúdo, ela já teve a oportunidade de sair da Capital e mostrar o trabalho em outros estados do País. Nas demais cidades, Evelyn descobriu que tinham pessoas por lá que também acompanhavam os vídeos. “Tenho seguidor de tudo quanto é lugar. Quando fui pra Brasília e São Paulo, achei que não ia dar em nada, mas foi uma confusão. Fiquei três dias sem conseguir sentar, porque toda hora tirava foto em pé com alguém”, conta.

O começo da trajetória - Campo-grandense, Evelyn viveu a infância e parte da adolescência em Alcinópolis. Em busca de melhores oportunidades no estudo e trabalho, ela veio para a Capital, onde começou como menor aprendiz num supermercado.

De simples a elaboradas, a jovem mosta como fazer a produção. (Foto: Arquivo pessoal)
De simples a elaboradas, a jovem mosta como fazer a produção. (Foto: Arquivo pessoal)

No local, ela teve a oportunidade de ser contratada e iniciar o curso de Psicologia. Nessa época, a jovem começou a gravar os vídeos, que eram todos feitos de madrugada quando tinha tempo. Evelyn explica a rotina que levava naquele período. “Fiquei três anos no supermercado e era pesado, porque eu fazia faculdade, então estudava de manhã e trabalhava das 14h20 às 22h. No meio tempo, fazia os vídeos”, diz.

Para ela, a maquiagem e a produção de conteúdo eram um escape e forma de fazer o que gostava. “Na época, comecei a fazer para desestressar, mas não sabia fazer vídeo e não sabia maquiar. Fui na fé e na coragem, porque não estava dando conta de morar aqui”, expõe.

Com o objetivo de focar nas maquiagens, Evelyn pediu demissão e arranjou um emprego numa loja de cosméticos. No estabelecimento, ela teve a oportunidade de aprender mais. “Fiquei apaixonada, foi incrível para mim e o meu crescimento, porque comecei a descobrir mais sobre produtos de cabelo e maquiagem”, ressalta.

Durante a pandemia, a maquiadora largou o emprego e passou a gravar e postar vídeos com muita frequência. O ritmo de postagens foi responsável por engajar o público e fazer ela bombar nas redes sociais.

A Cenourinha, que recebeu o apelido devido ao tom do cabelo, ficou grávida no meio da pandemia e, mesmo assim, conta que não deixou de gravar. “Eu consegui focar mais e produzir mais conteúdos. Eu engravidei, mas continuei criando e, desde então, não parei. Hoje em dia, trabalho em casa, faço parcerias com marcas e meus vídeos são monetizados”, celebra.

Quem quiser acompanhar, o Instagram dela é @cenourinha_oficial.

Evelyn segurando a filha pequena e ao lado do marido. (Foto: Arquivo pessoal)
Evelyn segurando a filha pequena e ao lado do marido. (Foto: Arquivo pessoal)

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias