ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 25º

Consumo

Fé fez Kety vender pulseirinhas que vão muito além da proteção divina

Religiosa se encontrou na fabricação de itens que até quem não possui credo algum aprova e uso de "talismã"

Por Raul Delvizio | 03/04/2021 08:48
Kety descobriu que os itens religiosos que fazia iam muito além da "proteção divina" (Foto: Arquivo Pessoal)
Kety descobriu que os itens religiosos que fazia iam muito além da "proteção divina" (Foto: Arquivo Pessoal)

O que era para ser apenas uma lembrancinha de final de ano entregue aos primos acabou por se tornar, no início do ano passado, uma atividade que garante renda extra à Kety Barreto e ainda faz o bem – não só para ela, mas para os outros. Administradora de dia e artesã à noite, ela prepara terços, pulseiras, chaveiros, dezenas e medalhas religiosas que, na realidade, vão muito além da  "proteção divina".

"Por mais que seja um artigo comercial, cada peça entregue ao cliente tem uma história por detrás, desde alegrias, conquistas, objetivos até as tristezas da vida também. Tudo isso faz parte de cada um, e não é preciso ter fé para sentir isso", diz a empreendedora de 29 anos da Caprichos a Mão.

A mão, ela prepara pulseirinhas, terços e protetores religiosos para "qualquer tipo de fé" (Foto: Arquivo Pessoal)
A mão, ela prepara pulseirinhas, terços e protetores religiosos para "qualquer tipo de fé" (Foto: Arquivo Pessoal)
Aqui, medalha da gratidão também é um dos produtos comercializados (Foto: Arquivo Pessoal)
Aqui, medalha da gratidão também é um dos produtos comercializados (Foto: Arquivo Pessoal)

De família católica, Kety cresceu vendo seus avós rezarem todos os dias no santuário de casa – o que considera até hoje uma daquelas lembranças bonitas da infância que jamais se esquece. Por mais que ela acredite na presença de um Deus onipresente e no volta de um Messias salvador à Terra, nem sempre seus clientes compartilham do mesmo credo.

"Meu público é literalmente de toda a idade e fé, principalmente os adultos. De cada dez itens, sete viram presente – e isso independente de intenção religiosa. O que eu mais escuto das pessoas é que os itens transmitem muita paz. Assim, percebi que o caminho que escolhi é muito mais que comercial, mas uma forma de transmitir o que tenho dentro de mim", descreve.

"Até mesmo os meus primos, nem todos ali da família são católicos. Na época, quando contei para eles que eu mesma tinha confeccionado, eles ficaram muito felizes pela lembrancinha e de cara já me incentivaram para que eu também os comercializasse. Eles receberam o presente e usaram com muito carinho, o que valeu a intenção", comemora.

Seja nos terços, pulseirinhas, chaveiros ou nos protetores religiosos, cada item é personalizado e feito apenas sob encomenda. As peças se iniciam no valor de R$ 5,00 e podem chegar a R$ 150,00 como é o caso das medalhas mais trabalhadas. O curioso, porém, é que as peças mais coloridos e que poderiam ter uma cara "mais infantil", isto é, próprias para as crianças são as que os adultos mais usam.

Curiosos é que são os itens mais coloridos os preferidos dos adultos (Foto: Arquivo Pessoal)
Curiosos é que são os itens mais coloridos os preferidos dos adultos (Foto: Arquivo Pessoal)
Também tem opção de escapulário disponível com foto para o cliente ter também (Foto: Arquivo Pessoal)
Também tem opção de escapulário disponível com foto para o cliente ter também (Foto: Arquivo Pessoal)

O terço era o único item que ela já sabia fazer. Aprofundando nas pesquisas e tutoriais em vídeos na internet, consegui aprender novos artesanatos do tipo e se aperfeiçoar na técnica.

"A intenção sempre foi ter para si ou presentear alguém que se ama com um artigo que transmite fé, bênção, espírito e calor humano. Tenho clientes que se encantam mais pela delicadeza do que necessariamente com a questão de fé. E eu amo o que faço. Falo isso porque acompanho a reação de cada cliente… isso sim não tem preço. Realmente, gratidão é o que define esse meu trabalho", finaliza.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário