ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  23    CAMPO GRANDE 32º

Consumo

Luka perdeu bar na pandemia e agora vende "macarrão na caixinha"

Apaixonado por rock e dono de várias casas de show, Luka teve de “abandonar” a área na qual empreendia para montar o Pasta de Luka

Por Lucas Mamédio | 24/10/2020 10:48
Luka em frente ao delivery Pastad de Luka (Foto: Paulo Francis)
Luka em frente ao delivery Pastad de Luka (Foto: Paulo Francis)

O que a paixão pelo rock’n roll, por pasta italiana e um restaurante delivery tem a ver? O cozinheiro Luka Queiroz, de 34 anos pode contra pra gente. Apaixonado pelo estilo musical e dono de várias casas de rock em Campo Grande, Luka teve de “abandonar” a área na qual empreendia por conta da pandemia. Agora, como meio de sustento, montou um restaurante delivery de venda de pasta tipicamente italiana, o Pasta de Luka.

Luka havia acabado de investir em seu último negócio, o bar/casa de show de rock DK, que ficava na Ernesto Geisel, quando a pandemia aconteceu. O estabelecimento mudou de local no final de 2019 para um espaço maior, justamente esse na Avenida. Infelizmente, alguns meses depois, já veio a pandemia.

Luka preparando um pedido (Foto: Paulo Francis)
Luka preparando um pedido (Foto: Paulo Francis)

“No final de 2019 eu vi a necessidade de a gente crescer aí eu achei um outro local e resolvi aumentar o DK, só que infelizmente veio a pandemia e eu tive que encerrar as atividades. A pandemia veio pra gente se reinventar e me incentivou a realizar um grande sonho, e como a estrutura delivery é mais barata e aí eu montei o Pasta de Luka”.

Homem de muitas paixões, a pela cozinha vem de berço. Com pai chefe, Luka sempre teve relação próxima com a gastronomia, que se intensificou durante o período em que ele morou na Inglaterra com a família.

“Morei na Inglaterra de 2007 a 2009, eu tinha uns 20 anos, daí  fiz vários cursos nos lugares onde passei, nas cozinhas, e foi lá que descobri essa vontade”.

Na volta ao Brasil, Luka investiu primeiramente em uma marca de roupa de luta, outra paixão. A marca ainda existe, mas as vendas só acontecem de forma virtual.

Luka colocando pasta na caixinha (Foto: Paulo Francis)
Luka colocando pasta na caixinha (Foto: Paulo Francis)

Fora esse, que é de outra natureza, todos os empreendimentos de Luka a comida esteve presente. No bar Saloon, que virou o DK, tinha comida. No DK tinha hambúrguer e porções. “Eu sempre cozinhei, mas meu estabelecimento não eram só disso, como é agora”.

Também parte de um moto clube com filial em vários países o mundo, Luka já viajou para diversos lugares onde teve a oportunidade de conhecer e também mostrar seu talento na cozinha. “Todo mundo sempre elogiou minha comida então foi um incentivo  mais”.

A pasta que Luka faz, segundo ele, é importada e todos os outros ingredientes são frescos. São cerca de 10 opções de molho. Tudo é colocado em uma caixinha e levada ao cliente.

São 800 gramas de pasta (Foto: Paulo Francis)
São 800 gramas de pasta (Foto: Paulo Francis)

“Nosso conceito de “fast pasta” é muito novo e tem dado super certo. São cerca de 800 gramas de pasta, uma porção generosa que dá pra duas pessoas. Sai de tudo, mas o carbonara del chef e o tomate rústico até então sempre saem primeiro”.

“Trabalhar com rolê é gratificante, mas é complicado, é sempre muita gente e aqui não, eu fico fechado, sou eu meu colega e a comida”, finaliza Luka com seu único funcionário.

Para conhecer mais do Pasta de Luka você pode acessar a página no Instagram.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário