ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  29    CAMPO GRANDE 22º

Consumo

Reformas de Lilia e Piero fazem de móveis antigos nostalgia renovada

Lilia e Piero fazem todo o processo

Por Bárbara Cavalcanti | 05/11/2021 09:12
Pierro finalizando uma cômoda antiga, uma das encomendas feitas. (Foto: Arquivo Pessoal)
Pierro finalizando uma cômoda antiga, uma das encomendas feitas. (Foto: Arquivo Pessoal)

No assunto restauração de móveis antigos, Lilia Pavanello, de 31 anos, e Piero Pavanello, de 39, encontraram a forma de conseguir o sustento e dedicar mais tempo para a família. E os móveis parecem novos depois, todos finalizados com laqueado automotivo. “A gente lida muito com o emocional das pessoas, tem gente que trás lembranças de pais, mães ou avós”, relata Lilia.

O processo de restauração é demorado. Em média, um móvel, dependendo do tamanho e do estado, demora 45 dias para ficar pronto. “E ainda tem o fator climático. Quando está chovendo, é impossível trabalhar com esse tipo de tinta”, especifica.

São vários produtos aplicados, cada um com um período de secagem antes da próxima etapa. “Tem móvel que a gente passa o primer, faz a restauração e quando chega na tinta, a madeira reage de um jeito que a gente precisa voltar e restaurar partes de novo. Cada madeira reage de um jeito”, detalha Pierro.

Móvel colonial pronto para entrega após reparos e finalização com laqueado. (Foto: Bárbara Cavalcanti)
Móvel colonial pronto para entrega após reparos e finalização com laqueado. (Foto: Bárbara Cavalcanti)

Os móveis se transformam praticamente em novos depois do trato. Na oficina do casal, que em parte fica no quintal da própria casa da família, no Bairro Pioneiros, tem de tudo um pouco. E é possível restaurar basicamente tudo: cadeiras, mesas, penteadeiras e outras relíquias.

"Fofoqueira", como é chamado o móvel colonial, após restauração e pintura. (Foto: Bárbara Cavalcanti)
"Fofoqueira", como é chamado o móvel colonial, após restauração e pintura. (Foto: Bárbara Cavalcanti)

“As pessoas ficam muito enciumadas com o móvel delas. Tem gente que chama a gente e aí praticamente não quer que a gente chegue perto”, se diverte Pierro. “Mas faz sentido, a gente entende, porque tem gente que tem más experiências. Mas a oficina, inclusive, sempre fica aberta aqui, o cliente pode vir aqui e ver como está ficando ao longo do processo sem problemas”, reforça.

Oratório em fase de finalização no quintal do casal. (Foto: Bárbara Cavalcanti)
Oratório em fase de finalização no quintal do casal. (Foto: Bárbara Cavalcanti)

O casal não deixa também de restaurar os próprios móveis de casa. A penteadeira vai para o quarto da filha do casal, por exemplo. O guarda-roupas no quarto do casal também foi restauração própria. “A equipe é composta também por Fernande, o marceneiro, e Regina. As inspirações do que fazer com os móveis eu tiro do Pinterest, principalmente”, ressalta Lilia.

O negócio começou há 2 anos e é praticamente fruto do amor dos dois. Piero era caminhoneiro e Lilia, cabeleireira. O relacionamento evoluiu rápido para algo mais sério. “A gente ficou um tempão combinando de tomar um vinho. Depois dessa noite, ele jogou a chave da casa dele no meu colo e disse: ‘Tem comida na geladeira, pode ficar aí’, e foi embora pra uma das viagens”, ri Lilia ao recordar.

Lilia na entrega de um móvel reformado e pintado do laqueado. (Foto: Arquivo Pessoal)
Lilia na entrega de um móvel reformado e pintado do laqueado. (Foto: Arquivo Pessoal)

Quatro anos depois, cansados da distância que as viagens de caminhoneiro de Piero criava na família, o casal resolveu investir em um negócio próprio. Piero já tinha alguma experiência da juventude, adquirida com o avô no Rio Grande do Sul, seu local de origem. Só acrescentaram o diferencial da tinta. “Nosso amigo Sula que nos ensinou o laqueado. Nas primeiras vezes, não ficou bom, até dar certo”, se diverte Piero.

Todas as informações a respeito de orçamentos e valores estão disponíveis no telefone (67) 98446-4279.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário