ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  09    CAMPO GRANDE 21º

Diversão

"Carnavais fakes" preocupam blocos que lutam para preservar festa popular na rua

Alguns eventos surgiram no Facebook usando nome do Cordão Valu, mas bloco esclarece que o evento não é verdadeiro.

Por Thailla Torres | 07/11/2018 08:37
Grupos desfilando no Cordão Valu pelas ruas da Esplanada Ferroviária. (Foto: Arquivo/Marcos Ermínio)
Grupos desfilando no Cordão Valu pelas ruas da Esplanada Ferroviária. (Foto: Arquivo/Marcos Ermínio)

Uma verdade em Campo Grande é a carência de eventos públicos pela cidade, especialmente, na periferia. Talvez por isso, tenham surgido tantos eventos espontâneos para reunir a galera e ocupar os espaços públicos pela cidade. Mas os movimentos preocupam produtores culturais e blocos carnavalescos, como o Cordão Valu, que teve o seu nome usado em um evento nas redes sociais com objetivo de antecipar o Carnaval por aqui.

Os encontros recentes que aconteceram em três pontos da cidade não foram realizados pelos blocos, que reclamam de eventos sem nenhuma responsabilidade com o patrimônio, já que, após a festança, público e organizadores desaparecem e o que sobra é muita sujeira e reclamação de moradores.

“Foi feito um evento no Facebook, usando nome e a foto com o estandarte do Cordão Valu. Uma amiga nos comunicou porque achou estranho, começamos a denunciar e entramos em contato com o dono da página que acabou tirando o nome do bloco. Mas mil pessoas haviam confirmado”, conta Silvana Valu, fundadora do Cordão que publicou uma nota em sua página explicando o ocorrido.

No último fim de semana, um dos eventos reuniu mais de mil pessoas na Concha da Orla, com festa regada a som automotivo e muita treta. No dia seguinte, o acúmulo de lixo incomodou moradores que reclamaram mais uma vez sobre o “Carnaval”.

Registro do Carnaval 2018 no evento do Bloco Calcinha Molhada, na Praça Aquidauana.
Registro do Carnaval 2018 no evento do Bloco Calcinha Molhada, na Praça Aquidauana.

A situação preocupa porque neste ano blocos de Campo Grande estão enfrentando uma batalha para garantir que o Carnaval continue acontecendo na Esplanada Ferroviária e em outros pontos da cidade que já ganharam o coração do campo-grandense, como a Praça Aquidauana e a Praça dos Imigrantes. Diante da baderna após o término de eventos carnavalescos, em setembro o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) chegou a recomendar a transferência da festa popular para o Autódromo, na BR 262.

“Isso nos prejudica porque as pessoas não sabem o que está acontecendo e ficam falando mal. Mas quando a gente faz o cordão, tomamos todo cuidado possível para não chocar e incomodar os moradores. Porque fazer um evento, é ter responsabilidade com todas as pessoas e o patrimônio”, explica Silvana.

O Bloco Calcinha Molhada, formado há dois anos, também se posicionou a respeito dos movimentos porque teme que isso prejudique as decisões sobre o Carnaval em 2019. Raína Menezes arquiteta e uma das fundadoras do bloco orienta que é preciso muita responsabilidade e alerta que ocupação não é simplesmente fazer festa em local público e abandonar. “A gente se preocupa porque sabemos que levar essa quantidade de gente para a rua é uma responsabilidade muito grande. Sei da carência de eventos gratuitos, mas por outro lado, tem atrapalhado quem está buscando fazer eventos com responsabilidade. E aos olhos do poder público, é como se todo mundo fizesse parte disso. Acho que as pessoas que estão organizando precisam ter isso em mente.”

Raína lembra que a lista de burocracias para realizar um evento em espaço público é grande, mas antes dos papéis é preciso consciência dos organizadores de que depois da farra, o espaço precisa continuar existindo, sem nenhuma degradação.

Por isso, para fazer qualquer evento em praças, ruas ou orlas da cidade, é necessário cumprir exigências da prefeitura. Em casos de shows, eventos musicais e desportivos são necessários obter alvará de funcionamento, segurança particular, contato com órgãos de segurança, como Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Samu, além de licença ambiental e sanitária em casos de venda de bebidas e comidas nos locais. Uma lista que prova que fazer qualquer evento nessa cidade não é nada fácil

“Cada vez que fazemos um evento é uma lista nova, da última vez tiramos mais de 10 licenças. Nós somos em muitas no grupo, então o trabalho foi dividido, mas para os outros blocos vimos que a luta é enorme. Por isso, a gente se preocupa em estar em dia com todas as exigências para garantir que o Carnaval aconteça. E quando esses eventos sem responsabilidade acontecem, dificulta uma luta inteira que busca um Carnaval seguro para todo mundo”, diz Raína.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.