ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 35º

Diversão

Duas das melhores baladas de São Paulo "nasceram" em Campo Grande

Ângela Kempfer | 27/02/2012 14:00
Noite de sábado em um dos ambientes da D-Edge. (Fotos: Ângela Kempfer)
Noite de sábado em um dos ambientes da D-Edge. (Fotos: Ângela Kempfer)
Renato Ratier, o dono da balada.
Renato Ratier, o dono da balada.

Em um dos shoppings de São Paulo a atendente pergunta de onde vim. Digo que sou de Mato Grosso do Sul e a mocinha, aparentando no máximo 20 anos, responde com sorriso aberto: “Que delícia”. Questiono logo se o comentário é resultado do sucesso Michel Teló, o tal “delícia, delícia...”, e a garota surpreende: “Nem sabia que ele era de lá, estou falando isso porque a maior balada de São Paulo é de um cara de Mato Grosso do Sul”.

Na hora cai a ficha. A menina está falando de Renato Ratier, um moço rico de Campo Grande, criador da D-Egde, casa de música eletrônica que fez sucesso por estas bandas, mas acabou migrando para a maior metrópole do País em 2003 e já na abertura começou a ganhar títulos de melhor clube de São Paulo.

No bairro da Barra Funda, os comentários na fila da balada são de melhorar a autoestima de qualquer campo-grandense. “É a casa mais moderna que eu conheço. A pista é louca, high tech. Até para os padrões de São Paulo é avançada demais”, diz Devala Peracine, de 28 anos, um rapaz super bem humorado, fiel frequentador e de nome estranho, de origem hindu.

Ao lado, uma turma de gringos, já risonhos por conta da bebida, perguntam sobre o ritmo na casa. “Toca música eletrônica das boas”, explica em inglês João Eurico, universitário de São José do Rio Preto que agora vive em São Paulo.

Em 2010 o Guia Folha, do jornal Folha de São Paulo, elegeu a boate como a melhor balada da cidade e um ano antes conquistou o reconhecimento como clube número 1 das Américas e 9º lugar no top 100 do mundo.

Foto para lembrar da D-Edge.
Foto para lembrar da D-Edge.

A fila anda e ao entrar na caixa de concreto o tamanho do prédio é a primeira surpresa. São 650 metros quadrados e três andares interligados por escadas e elevador.

“Essa iluminação empolga e são ambientes bem diferentes, cada um com DJ diferente. Adorei”, comemora a advogada Graziela Guslher, que pela primeira vez pisa na D-Edge. “Sempre ouvi falar que o melhor dia aqui é segunda-feira, com o DJ João Gordo, mas hoje também está perfeito”, completa.

Além dos 3 andares, há um terraço que funciona como fumódromo local. No espaço aberto, com vista para o Memorial da América Latina, 3 amigos observam os casais que lotam o ambiente. “Só não gostei disso”, brinca Ricardo Ferreira, de 24 anos.

Bruno (de preto) e os amigos no terraço da balada.
Bruno (de preto) e os amigos no terraço da balada.

Hot Hot - Bruno Bernardi diz que vai tanto à D-Egde que é hora de mudar, ri. “Preciso é parar de vir aqui, mas não consigo”, dia ao elogiar o sound system poderoso.

Fã do rock inglês, ele lembra de uma outra casa também criada por um campo-grandense a Hot Hot, do empresário Joel Dibo. “Lá é o outro lugar da moda em São Paulo”, explica Bruno que as quartas-feiras ouve rock na Hot Hot.

A casa, no bairro Bela Vista, tem fila constante de quarta a sábado, com 3 dias de música eletrônica. A porta estreita esconde uma estrutura de 600 metros quadrados, de arquitetura super moderna e descolada, com 8 mil lâmpadas que acendem ao ritmo da música.

Corredor de entrada é um dos destaques da Hot Hot. Tem 20 metros de comprimento, com mais de 10 km de fiação e luz passando de lado a lado.
Corredor de entrada é um dos destaques da Hot Hot. Tem 20 metros de comprimento, com mais de 10 km de fiação e luz passando de lado a lado.

Ao contrário de Renato Ratier, que também é DJ e agora vive em São Paulo com a esposa e dois filhos, Joel ainda mora em Campo Grande. “Tenho negócios da família aqui, que administro”, justifica.

Os dois têm em comum o começo, em Campo Grande. Como filhos de famílias de muito dinheiro, passaram a organizar as primeiras raves da cidade. Hoje, Joel também é dono da boate Neo Clube, na 15 de Novembro.

Com a sócia Flávia Ceccato, ex-estilista da Zoomp e também ex-dona de 2 casas famosas de música eletrônica, os dois já vão para 3 anos de clube aberto em uma das maiores cidades do planeta. Há drinques com picolé de fruta batizados com nomes de boates paulistas e máquinas de doces, café e energético.

A arquitetura é o que mais chama a atenção. Na abertura, em 2009, os grandes lustres madrepérola iluminando o bar, foram destaque de revistas.

“Não foi fácil entrar no mercado de São Paulo, é muita concorrência, mas a gente sabe fazer”, comentou Joel em uma rápida conversa por telefone.

corredor de entrada é um deles. Tem 20 metros de comprimento e é bem hipnótico, com mais de 10 km de fiação passando

Lustres sobre o bar, outro destaque da arquitetura.
Lustres sobre o bar, outro destaque da arquitetura.
Nos siga no Google Notícias