ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 19º

Diversão

No Banho de São João, Thayná quer mostrar raízes negras de Corumbá

Circuito Kaô de Corumbá de Xangô é uma forma diferente de conhecer o arraial

Por Aletheya Alves | 15/06/2024 08:13
Roteiro está integrado ao arraial do banho de São João. (Foto: Bela Oyá Pantanal)
Roteiro está integrado ao arraial do banho de São João. (Foto: Bela Oyá Pantanal)

Por ser tradicional, é difícil quem não conhece o banho de São João em Corumbá. Mas, querendo fortalecer outra parte da cultura regional, Thayná Cambará criou um roteiro para quem quer conhecer as raízes negras da cidade em meio ao arraial.

“Assim como hoje temos no Estado imersões de natureza, como em Bonito, a nossa imersão é cultural e de vivência”, introduz a fundadora da Bela Oyá, a primeira agência receptiva de afroturismo do Estado.

Dedicada à pauta, Thayná resume que o arraial do banho de São João é uma oportunidade de conhecer o sincretismo religioso de perto na cidade, já que o papel do orixá Xangô e de São João estão no contexto.

Sobre a importância do circuito (que será realizado no dia 23), Thayná comenta que essa é uma forma de valorizar a contribuição histórica e cultural do povo negro. “Associar o Circuito Kaô Corumbá de Xangô ao Arraial do Banho de São João é essencial, pois essa festa tem raízes afrodescendentes e conversa profundamente com a ancestralidade presente em Corumbá. O Circuito pretende enaltecer essas tradições e, consequentemente, combater a desinformação e o racismo”.

Um dos focos é mostrar sobre o sincretismo religioso. (Foto: Bela Oyá Pantanal)
Um dos focos é mostrar sobre o sincretismo religioso. (Foto: Bela Oyá Pantanal)

E, para além desse evento específico, ela defende que o circuito de forma permanente é uma chance para preservar o patrimônio cultural de Corumbá.

“O Circuito de Afroturismo no Pantanal de Corumbá busca valorizar a cultura afro-brasileira, oferecendo atividades que incluem visitas a comunidades remanescentes quilombolas, vivências em terreiros de religiões de matriz africana e experiências gastronômicas com pratos típicos da culinária afro-brasileira e dos povos de terreiros. Algo que também gera renda às diversas famílias que recebem esses visitantes”, diz Thayná.

Na prática, tudo isso entra em reflexão com o roteiro que inclui visita às pedreiras de Xangô, Memorial do Homem Pantaneiro e casas religiosas. “A experiência destaca os costumes e a vida cotidiana da população local, proporcionando uma conexão profunda com as tradições e a história da região”.

“Temos ação com início às 8h30min e segue até 12h, depois retornamos às 15h e seguimos até 21h30min. A imersão envolve várias linguagens e vivências durante o percurso”, descreve.

Na programação, ainda foi incluído um momento no Vale dos Orixás, a 20 km de Corumbá. “[...] local sagrado no qual o grupo irá degustar as comidas ofertadas ao Orixá Xangô, bem como vivenciar uma obrigação entregue a este grande orixá”.

Outro destaque explicado por Thayná é a produção dos próprios andores para dar banho no santo. Para mais informações sobre o circuito é necessário entrar em contato diretamente com a Bela Oyá pelas redes sociais.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias