A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

09/06/2017 07:43

Aos 72 anos, Afonso vai dar a volta ao mundo correndo 40 mil quilômetros

Por aqui, ele explica que o segredo da vida é se movimentar sempre

Thailla Torres
Aos 72 anos, ele sonha em dar a volta ao mundo. (Foto: Arquivo Pessoal)Aos 72 anos, ele sonha em dar a volta ao mundo. (Foto: Arquivo Pessoal)

A saúde dá conta dos 72 anos de vida, com energia plena para correr dezenas de quilômetros por dia. Persistente até o último minuto, Afonso Cappai é o homem que divide o tempo entre as viagens de trabalho e o exercício físico. Ele sonha em correr a linha do equador. São 40.075 quilômetros, uma volta ao mundo.

De passagem por Campo Grande, o homem que tem mais de 16 mil seguidores do Instagram fez questão de plantar uma sementinha da qualidade de vida. Incentivando e tentando mostrar que todo mundo é capaz de começar, simplesmente, agora. 

"E olha que eu não precisei correr muito para começar, foi aos poucos, respeitando cada limite e resposta do meu corpo", ensina Afonso, que é nascido em Belo Horizonte e hoje trabalha como consultor empresarial.

Sempre com frases motivacionais, Afonso convida todo mundo a correr pelas redes sociais.Sempre com frases motivacionais, Afonso convida todo mundo a correr pelas redes sociais.

A escolha pela corrida começou aos 35 anos quando Afonso levava uma vida sedentária. "Foi exatamente assim, eu pensei que iria morrer. Não tinha problemas de saúde, mas também não tinha controle do meu estresse, sentia muita falta de ar e indisposição. Fiquei pensando onde eu chegaria se tivesse ainda daquela forma", diz.

Na corrida assim como em outros projetos da vida de Afonos, o que fez diferença foi avançar divindo seus planos de longo prazo em vários planos de pequeno prazo, explica. "Em cada conclusão de pequenas etapas, tenho uma pequena recompensa por concluir minha meta naquele momento. Isso me impulsiona e me motiva até o próximo passo", explica.

Por isso ele começou devagar, correndo perto de casa até conseguir passar por quase todas as cidades brasileiras, enquanto viaja como consultor. "Eu viajo a trabalho, mas nunca deixo de correr. Corro em média 195 quilômetros por mês, onde vou a um parque ou praça e corro". 

Mas a meta de dar a volta ao mundo surgiu há sete anos. "Ninguém é doido de começar a correr e querer dar a volta ao mundo do nada. Mas teve um momento na minha vida que pensei: será que já dei essa volta? Daí fui na internet e vi a linha do equador", conta.

Fazendo levantamentos e cálculos do que já havia registrado, Afonso chegou a conclusão dos 24 mil quilômetros. "Fui honesto, não ia falar algo que eu não tinha feito. Mas a partir dali comecei a conta com levantamentos técnicos, sempre registrando todo meu percurso", explica.

Ele já correu 36 quilômetros.Ele já correu 36 quilômetros.

Apesar de toda disciplina, Afonso não se considera um homem regrado. "Também não vivo para a corrida. Eu tenho meus momentos de lazer, todo refrigerante no fim de semana, gosto da minha cervejinha, mas minha alimentação mudou completamente". 

Os reflexos da corrida é recompensa que todo mundo vê no sorriso de Afonso. "Imagina estar com 72 anos sem nenhum problema de saúde. É claro, por conta da idade eu tomo remédios, mas eles só vem diminuindo, nunca aumentando comemora".

Pai de duas filhas e três netos, Afonso incentiva a família e corre até com os pequenos. "Meu netos quando vão passar o fim de semana lá em casa, correm comigo na garagem. Eles adoram e se diverte vendo o vovô idoso correndo". 

Os últimos quilômetros da meta, Afonso quer fazer no Macapá, única capital brasileira “cortada” pela linha do Equador. "Tenho uma relação muito forte com a cidade. Já corri lá oito vezes e por essa característica faço questão de terminar ali".

E se engana quem acredita que ele quer descanso, o idoso garante que só está começando. "Quero percorrer países da América do Sul. Se eu vou parar de correr? Só quando Deus me levar e por enquanto, eu acho que Ele lá em cima pega a minha ficha e sabe que eu estou fazendo minha parte, acho que ele vai me deixar ficar aqui até os 103 anos de idade", explica.

E se alguém ainda tem dúvida, ele faz questão de mostrar o que sabe. "Tudo é uma questão de iniciar, se você ainda não começou, a hora é agora", diz.

Quem quiser acompanhar o projeto de Afonso, pode seguir ele no Instagram.

imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.